Imprensa livre e independente
17 de junho de 2019, 14h52

Sucessor de Santos Cruz, general Luiz Eduardo Ramos tem boa relação com PT e PSOL

Novo secretário de Governo, general Luiz Eduardo Ramos é uma figura mais aberta e tem bom diálogo com partidos de oposição, como PT e PSOL - temidos pelos seguidores de Olavo de Carvalho

Foto: Soldado Ivonildo/Divulgação Flickr
Após a queda do general Carlos Alberto dos Santos Cruz da secretaria de Governo na semana passada, Jair Bolsonaro indicou o também general Luiz Eduardo Ramos para o posto. Apesar do antecessor ter caído por pressões da ala olavista, Ramos é uma figura mais aberta e tem bom diálogo com partidos de oposição, como PT e PSOL – temidos pelos seguidores de Olavo de Carvalho. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo Segundo reportagem de Thais Arbex, Daniel Carvalho e Camila Mattoso, na edição desta segunda-feira (17) da Folha de S.Paulo,...

Após a queda do general Carlos Alberto dos Santos Cruz da secretaria de Governo na semana passada, Jair Bolsonaro indicou o também general Luiz Eduardo Ramos para o posto. Apesar do antecessor ter caído por pressões da ala olavista, Ramos é uma figura mais aberta e tem bom diálogo com partidos de oposição, como PT e PSOL – temidos pelos seguidores de Olavo de Carvalho.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Segundo reportagem de Thais Arbex, Daniel Carvalho e Camila Mattoso, na edição desta segunda-feira (17) da Folha de S.Paulo, Ramos nunca escondeu que era aliado de Bolsonaro durante o período eleitoral. Visitou o presidenciável no hospital e fez postagens em defesa do amigo. Era tido como uma figura certa no governo e, de acordo com a reportagem, o presidente já traçava um espaço para Ramos há um tempo.

Em março, uma postura do agora secretário de Governo surpreendeu o PSL paulista. Ao promover um almoço sobre a reforma da Previdência no Comando Militar do Sudeste, em São Paulo, o general convidou para um debate os deputados federais Arlindo Chinaglia (PT-SP), Ivan Valente (PSOL-SP) e Paulinho da Força (SD-SP).

Veja também:  Pai bolsonarista ataca e expõe filha médica em redes sociais porque ela apoiou Haddad

Na conversa, Ramos destacou a relação próxima que mantém com a esquerda, falou da inexperiência de Bolsonaro na articulação política, do papel do vice-presidente Hamilton Mourão e sobre a questão da Venezuela. Sobre o país vizinho, discordou da posição de Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) de que Nicolás Maduro deveria sair à força: “como profissionais da guerra, defendemos a paz”.

À reportagem, Ivan Valente elogiou o general, destacando que ele é “aberto a ouvir” e que reconhece que o governo militar foi uma ditadura. No entanto, disse que recomendaria que o general não se aventurasse no governo: “se eu fosse ele, não iria para o ninho de cobras do bolsonarismo. Ficaria em São Paulo. Aqui o diálogo rola mais solto. Vou dizer isso a ele se me consultar”.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum