Imprensa livre e independente
04 de junho de 2018, 16h06

Tacla Duran será ouvido sobre supostos esquemas de propina na Lava Jato

Ex-advogado da Odebrecht vai prestar esclarecimentos à Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, nesta terça-feira (5)

Foto: Alex Ferreira/Câmara dos Deputados O tema central do depoimento do ex-consultor Rodrigo Tacla Duran, ex-advogado da Odebrecht, será sobre os bastidores da Operação Lava Jato e informações relacionadas a esquemas de pagamento de propina em troca de melhorias em delações premiadas negociadas em Curitiba. Duran será ouvido por meio de videoconferência, pois mora na Espanha, em audiência pública, que acontece nesta-terça-feira (5), a partir das 10 horas, pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados. “Ele possui diversas informações relevantes sobre a Operação Lava Jato e, por isso, deve ser ouvido nas instâncias adequadas e responsáveis...

Foto: Alex Ferreira/Câmara dos Deputados

O tema central do depoimento do ex-consultor Rodrigo Tacla Duran, ex-advogado da Odebrecht, será sobre os bastidores da Operação Lava Jato e informações relacionadas a esquemas de pagamento de propina em troca de melhorias em delações premiadas negociadas em Curitiba. Duran será ouvido por meio de videoconferência, pois mora na Espanha, em audiência pública, que acontece nesta-terça-feira (5), a partir das 10 horas, pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados.

“Ele possui diversas informações relevantes sobre a Operação Lava Jato e, por isso, deve ser ouvido nas instâncias adequadas e responsáveis pelo processo. Porém, por causa de diversas negativas injustificadas, teve violado o direito ao devido processo legal, além da garantia ao contraditório e da ampla defesa”, afirmou o deputado Wadih Damous (PT-RJ), autor do requerimento para a Comissão ouvir o advogado em audiência pública.

Tacla Duran chegou a ser arrolado como testemunha de defesa do ex-presidente Lula, mas os pedidos têm sido negados pelo juiz Sergio Moro. Os advogados de defesa solicitaram que Duran prestasse depoimento no âmbito do incidente de falsidade de documentos por parte da Odebrecht, no contexto da Lava Jato.

Veja também:  Fake News: Bolsominios divulgam vídeo antigo de Bolsonaro em quarto minúsculo de hotel no Japão e são desmentidos

Para o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), se trata de mais um absurdo autoritarismo de Moro contra Lula. “É um processo extremamente importante para o País, pois envolve um ex-presidente da República que lidera todas as pesquisas para a Presidência da República e foi condenado como preso político, pois não há nenhuma prova nos processos que justifiquem sua condenação”.

Documentos

Em dois depoimentos, um à CPI da JBS e outro à defesa do ex-presidente Lula, Tacla Duran mostrou documentos que não conferem com os que teriam sido obtidos no sistema eletrônico de contabilidade da Odebrecht. Entretanto, colocou em xeque a veracidade de provas apresentadas pela Odebrecht a partir dos sistemas Drousys e MyWebDay – muito usado pela Lava Jato. Essa diferença mostra que pode ter havido alteração nos documentos. Duran submeteu esses documentos a uma perícia na Espanha e a autenticidade foi atestada. A Polícia Federal no Brasil, no entanto, não fez perícia.

O advogado disse, ainda, que um amigo e padrinho de casamento de Moro, o advogado Carlos Zucolotto (ex-sócio de Rosângela Wolff Moro, esposa de Sergio Moro) teria cobrado mais de 5 milhões de dólares “por fora” para “melhorar” o acordo de delação de Duran com os procuradores da Lava Jato liderados por Deltan Dallagnol. Durán detalha uma série de irregularidades que envolvem procedimentos adotados por procuradores, juízes, empresas e delatores na chamada Operação Lava Jato.

Veja também:  Diogo Mainardi, do Antagonista, torce por prisão de hacker e fim da Vaza-Jato

Há seis meses, os deputados Paulo Pimenta, Wadih Damous e Paulo Teixeira (PT-SP) cobraram da Procuradoria-Geral da República (PGR) investigação das denúncias feitas por Duran contra a Lava Jato. A procuradora-geral, Raquel Dodge, prometeu tomar providências, mas até agora, nenhuma explicação foi dada.

Com informações do PT na Câmara

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum