#“Não somos racistas!”

04 de março de 2011, 12h00

Herança da escravidão: a maior desgraça

Por Mino Carta (que - pasmem - não é adepto da tese do sábio Ali Kamel, de que "Não Somos Racistas"): "Escrevi certa vez que se Ronaldo, o Fenômeno, se postasse na calada da noite em certas esquinas de São Paulo ou do Rio, e de improviso passasse a Ronda, seria imediata e sumariamente carregado para o xilindró mais próximo. Digo, o mesmo Ronaldo que foi ídolo do Brasil canarinho quando adentrava ao gramado."