#Rappi

12 de julho de 2019, 12h17

Entregador do aplicativo Rappi, que morreu sem receber socorro, trabalhava mais de 12 horas por dia, diz irmão

Thiago de Jesus esperou por socorro por cerca de duas horas, mas não foi atendido pelo Samu. Um motorista de Uber recusou a viagem por estar "sujo e molhado". Ele só conseguiu ser levado para o Hospital das Clínicas com a ajuda de amigos