Imprensa livre e independente
09 de maio de 2017, 10h06

Temer abre o cofre a parlamentares para aprovar reforma da previdência

A farra estimada pelo governo até o fim do ano deve render R$ 1,9 bilhão —média de quase R$ 6 milhões para cada deputado.

A farra estimada pelo governo até o fim do ano deve render R$ 1,9 bilhão —média de quase R$ 6 milhões para cada parlamentar. Da Redação* A gastança vai beneficiar 330 parlamentares na distribuição dos recursos, usados para bancar obras e projetos nas bases eleitorais dos congressistas. A farra estimada pelo governo até o fim do ano deve render R$ 1,9 bilhão —média de quase R$ 6 milhões para cada um. A ideia é pagar parte agora para reduzir a resistência dos deputados na votação. As liberações devem ser feitas nas próximas três semanas. Parlamentares de oposição e aqueles que...

A farra estimada pelo governo até o fim do ano deve render R$ 1,9 bilhão —média de quase R$ 6 milhões para cada parlamentar.

Da Redação*

A gastança vai beneficiar 330 parlamentares na distribuição dos recursos, usados para bancar obras e projetos nas bases eleitorais dos congressistas.

A farra estimada pelo governo até o fim do ano deve render R$ 1,9 bilhão —média de quase R$ 6 milhões para cada um.

A ideia é pagar parte agora para reduzir a resistência dos deputados na votação. As liberações devem ser feitas nas próximas três semanas.

Parlamentares de oposição e aqueles que traíram o governo em votações recentes ficarão fora da distribuição, e suas emendas devem ficar represadas até o fim do ano.

A estratégia do Palácio do Planalto é dar conforto aos integrantes mais fiéis da base aliada, que poderão levar o dinheiro para os projetos em seus municípios e, assim, compensar a carga negativa que terão em suas bases eleitorais ao votar pela reforma.

Temer tem enfrentado dificuldades para conquistar os 308 votos necessários para aprovar a proposta, que modifica vários artigos da Constituição e por isso precisa de 60% dos votos para ser aprovada. Temer distribuiu cargos e demitiu funcionários indicados por integrantes da base que votaram contra propostas de interesse do governo.

Veja também:  Deltan Dallagnol planejou usar esposa como “laranja” em empresa de palestras

Ao acelerar nomeações atrasadas e a liberação de verbas represadas, o governo quer limpar as gavetas e se vacinar contra possíveis reclamações de parlamentares.

Temer pediu que os ministros Ricardo Barros (Saúde), Helder Barbalho (Integração) e Bruno Araújo (Cidades) façam um levantamento das emendas a serem pagas. Os três ministérios estão entre as pastas que mais recebem demandas de parlamentares.

Desde 2015, o governo é obrigado a pagar emendas apresentadas por parlamentares até o fim de cada ano. Mas o ritmo de liberação varia, e há casos em que a verba fica retida até a última hora.

Para este ano, cada deputado teve a possibilidade de apresentar cerca de R$ 15 milhões em emendas. O valor total com pagamento obrigatório é de R$ 8,7 bilhões. Um quarto desse dinheiro foi bloqueado quando o governo congelou parte dos recursos.

Nesta terça (9), a comissão que discute a reforma deve concluir a votação do texto, que deve ir ao plenário no final de maio ou em junho.

A partir de quinta (11), o governo divulgará novas peças publicitárias em rádios de todo o país, como parte de uma ofensiva para tentar reduzir a rejeição às mudanças.

Veja também:  Os novos deputados do velho liberalismo capitalista

O presidente também vai intensificar a agenda de entrevistas a programas de televisão e rádios regionais.

Serão distribuídos ainda por celular vídeos voltados para os deputados.

*Com informações da Folha

 Photo by Licurgo Miranda

Ajude a Fórum enviar jornalistas para Curitiba e fazer a cobertura do depoimento de Lula no dia 10 de maio. Clique aqui e contribua com quanto puder.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum