Imprensa livre e independente
25 de agosto de 2017, 08h20

Temer diz que conversa “com quem quiser” em encontros noturnos

Durante a entrevista, seguiu negando que possa renunciar ao cargo. “Não vou deixar não, porque se eu deixar, vai parecer que estou confessando culpa”. Da Redação Enquanto se esquiva de acusações, promovendo a farra das emendas parlamentares, Michel Temer segue seu mantra de negação, tanto em discursos quanto em entrevistas. Desta vez, o presidente foi entrevistado por Kennedy Alencar do SBT e entre outros temas, falou sobre a compra do silêncio de Cunha, renúncia e seus encontros noturnos. “Acho que precisa acabar com essa história de você não poder conversar com as pessoas. Quem fala que dez horas da noite...

Durante a entrevista, seguiu negando que possa renunciar ao cargo. “Não vou deixar não, porque se eu deixar, vai parecer que estou confessando culpa”.

Da Redação

Enquanto se esquiva de acusações, promovendo a farra das emendas parlamentares, Michel Temer segue seu mantra de negação, tanto em discursos quanto em entrevistas. Desta vez, o presidente foi entrevistado por Kennedy Alencar do SBT e entre outros temas, falou sobre a compra do silêncio de Cunha, renúncia e seus encontros noturnos.

“Acho que precisa acabar com essa história de você não poder conversar com as pessoas. Quem fala que dez horas da noite é tarde, deve ser porque trabalha até às seis e acha que depois das seis ninguém pode trabalhar”, rebateu.

Reuniões fora da agenda já viraram rotina do presidente. Entre eles, o ministro do STF Gilmar Mendes, o presidente da Câmara Rodrigo Maia e até a nova procuradora-geral do República, Raquel Dodge. “Eu vou acabar com essa cultura. Eu converso com quem eu quiser, na hora que eu achar mais oportuna e onde eu quiser”, finalizou.

Veja também:  Fim da "curtida" no Instagram é para "gorda feminista não ficar deprimida", diz Carla Zambelli

Na corda bamba desde que tomou o lugar da ex-presidenta Dilma Rousseff, Temer segue negando a renúncia. “Fernando Henrique (Cardoso) teve a delicadeza de falar comigo: ‘Seria melhor você deixar’. Eu falei: ‘Não vou deixar não, porque se eu deixar, vai parecer que estou confessando culpa'”, insistiu.

Sobre a compra de silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha, mostrou uma atuação digna do prêmio Framboesa de Ouro, aquele dos piores filmes do ano. “No primeiro momento, eu até falei: ‘Será?’. Como a conversa tinha se dado há muito tempo atrás. ‘Será que eu disse isso mesmo?’. Seguiu dizendo que era poderia até ter dito mesmo. “Se ele me dissesse isso, eu diria: ‘Faça isso’. Muito provável. Não para comprar o silêncio, mas para ajudá-lo”, concluiu.

Foto: Reprodução/ Internet

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum