À Beira da Palavra

15 de novembro de 2015, 12h43

Terrorismo, seus patrocinadores e a manipulação dos nossos afetos

Na quinta-feira, 40 mortos muçulmanos num atentado em Beirute. Atentado assumido pelo mesmo Estado Islâmico. Já a comoção mundial e as campanhas televisivas… Nem um milímetro. Por quê?

Lamento todos os mortos. Todos. Os das famílias parisienses e das cearenses, das palestinas e das guaranis nas beiras das estradas de soja. As das famílias de Mariana e as dos povos mineiros e capixabas nos próximos anos de terra arrasada (pela gula empresarial).

Há exatamente um ano o governo francês admitiu ceder armas pesadas aos grupos que tentam derrubar o legítimo governo sírio. Agora promete “reação sem piedade”. A quem? Aos seus aliados de ontem ou aos inimigos declarados de amanhã?

No cotidiano a suspeita será a de procedência árabe. Na escola, na estrada, na fila. E os governos de lá e de cá tramam funerais. Por vezes previstos até aos seus próprios ‘cidadãos’, se isso garantir lucro e ódio que banquem votos e o pânico de cada dia.

Aprendi uma diferença entre drama e tragédia: na primeira a personagem luta e há esperança de vitória até o fim. Já na tragédia está fadada à derrota, as forças contrárias estão carimbadas em seu destino.

Por que chamam de tragédia os ocorridos nesta semana? Se tudo estava desenhado por mãos de gente, sujas de ouro e pesadas de controles remotos e livros religiosos que são pretexto pra cegueira do Poder?

Quem diz combater o terrorismo é quem o patrocina, mano meu.

Seja nas quebradas de Fortaleza ou de São Paulo, seja nas gargantas secas do interior de Minas Gerais ou nas cifras dos anunciantes dos telejornais.

Manipulam nossos afetos e seguem aplicando seus planos tramados em gráficos e estatísticas. Indústria bélica cresce e cresce, alcançou seu ápice histórico. As feiras de “equipamento de defesa” são pleno sucesso pro mundo executivo. Das viaturas rondando favelas até os radares nos desertos pra catar imigrantes pela nuca, tudo se negocia. Até os intervalos comerciais e as pautas dos telejornais.

Lamento todos os mortos. Paz e compreensão habite o coração dos familiares.

Nós seremos família humana?

(Foto: Foto: Elizabeth Koechlin Bertrand/ Fotos Públicas)

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum