Imprensa livre e independente
27 de fevereiro de 2019, 16h57

“Tive certeza de que morreria”, diz Jean Wyllys em Portugal

Em Lisboa, ex-parlamentar denunciou a falta de ação da Polícia Federal para defendê-lo

Foto: Maíra Streit
Por Maíra Streit, de Lisboa O ex-deputado federal Jean Wyllys, do PSOL, participou na tarde desta quarta-feira (27) de uma conferência na Casa do Alentejo, em Lisboa, sobre os motivos que o fizeram deixar o Brasil. Há cerca de um mês, ele anunciou que moraria no exterior, abrindo mão de seu terceiro mandato na Câmara devido a ameaças de morte que se agravaram com o assassinato da vereadora Marielle Franco. O político fez uma retrospectiva da perseguição sofrida desde sua posse no Parlamento. Segundo ele, denúncias graves feitas à Polícia Federal nunca surtiram efeito e os ataques se intensificaram quando...

Por Maíra Streit, de Lisboa

O ex-deputado federal Jean Wyllys, do PSOL, participou na tarde desta quarta-feira (27) de uma conferência na Casa do Alentejo, em Lisboa, sobre os motivos que o fizeram deixar o Brasil. Há cerca de um mês, ele anunciou que moraria no exterior, abrindo mão de seu terceiro mandato na Câmara devido a ameaças de morte que se agravaram com o assassinato da vereadora Marielle Franco.

O político fez uma retrospectiva da perseguição sofrida desde sua posse no Parlamento. Segundo ele, denúncias graves feitas à Polícia Federal nunca surtiram efeito e os ataques se intensificaram quando passou a defender a ex-presidenta Dilma Rousseff durante o processo de impeachment.

“A minha resiliência ia aumentando o nível das ameaças. Minha mãe, que é uma mulher simples, meus irmãos, que são pessoas honestas e trabalhadoras, passaram a ser vítimas. Vi que havia uma possibilidade concreta de fazerem algo comigo e com eles”, afirmou.

Wyllys frisou que já não havia qualquer liberdade na rotina que levava no Brasil. “Passei a me restringir ao espaço da minha casa, ao cárcere privado. Isso foi me adoecendo. Comecei a somatizar as ameaças. Tive certeza de que morreria. Se não fosse assassinado, morreria doente”, disse. “Espero um dia poder voltar para o meu ninho”, encerrou emocionado.

Veja também:  Jean Wyllys afirma que processará quem retuitar mentiras do Pavão Misterioso

O bate-papo contou ainda com a participação do sociólogo Boaventura de Sousa Santos e da presidenta da Fundação José Saramago, Pilar del Rio. Ontem, o político fez uma fala na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. O evento tinha como tema “Discursos de ódio e fake news da extrema direita e seus impactos nos modos de vida de minorias sexuais, étnicas e religiosas – o caso do Brasil”.

Durante o debate, dois homens foram imobilizados e expulsos do auditório por arremessarem ovos contra o político. Hoje, o ex-deputado abriu sua participação com um omelete em mãos, ironizando o fato do dia anterior. Um manifestante, com camisa estampada com a figura de Jair Bolsonaro, também precisou ser retirado em Lisboa.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum