Imprensa livre e independente
26 de fevereiro de 2019, 16h01

Transexual agredida em Niterói: “Se eu fosse branca cisgênero não estaria voltando pra casa assim”

Ela conta que foi maltratada pelos policiais e que uma enfermeira do hospital Azevedo Lima fez piadas com o seu nome social e a tratou pele gênero errado

Foto: Reprodução
A transexual Lua Guerreiro foi agredida, na noite de domingo (24), na região conhecida como Cantareira, em Niterói (RJ). De acordo com longo e detalhado relato na sua conta no Facebook, ela afirma que, logo após pedir um isqueiro, começou a ser espancada por vários homens. “Me derrubaram por trás várias vezes pra ser um alvo mais fácil. Fui espancada. Sangrei da cabeça aos pés”, conta. A seguir, ela conta que foi maltratada pelos policiais que atenderam a ocorrência e uma enfermeira do hospital Azevedo Lima fez piadas com o seu nome social e a tratou pele gênero errado. Lua...

A transexual Lua Guerreiro foi agredida, na noite de domingo (24), na região conhecida como Cantareira, em Niterói (RJ). De acordo com longo e detalhado relato na sua conta no Facebook, ela afirma que, logo após pedir um isqueiro, começou a ser espancada por vários homens. “Me derrubaram por trás várias vezes pra ser um alvo mais fácil. Fui espancada. Sangrei da cabeça aos pés”, conta.

A seguir, ela conta que foi maltratada pelos policiais que atenderam a ocorrência e uma enfermeira do hospital Azevedo Lima fez piadas com o seu nome social e a tratou pele gênero errado.

Lua disse ainda que foi obrigada a sentar ao lado de seus agressores na delegacia que riam “descontraídos”. Leia o e assista o seu depoimento abaixo.

Fui agredida.
Mas, não somente. Sofri uma tentativa de homicídio. Vários homens cis me batendo de forma covarde, suja e baixa como sabemos que fazem. Quebraram uma cadeira na minha cabeça. Me derrubaram por trás várias vezes pra ser um alvo mais fácil. Fui espancada. Sangrei da cabeça aos pés.
Por nada (não que haja algo que justifique qlqr coisa parecida). Somente por pedir um isqueiro e não ficar calada ao ser destratada por um vendedor da cantareira que se recusou a me ajudar. Fui agredida por vários homens cis. Homens cis esses que nem estavam envolvidos, mas viram uma oportunidade de bater em alguém que representa algo que eles não conseguem lidar e deixaram Claro que não querem lidar.
Nesse momento ainda me vejo em choque tentando entender o motivo… tentando procurar, de alguma forma, um sentido em tudo isso, mas sei bem que se eu fosse uma branca cisgênero não estaria voltando pra casa com a cabeça enfaixada, toda ensanguentada e com um sentimento de insegurança constante.
Tenho medo pela minha vida, tenho medo pelo vida de minhas iguais e, cada dia mais, minha sede de justiça se torna mais forte e necessária.

Fui mal tratada por alguns policiais que fizeram piadas. No hospital Azevedo Lima, uma enfermeira fez piadas com meu nome social, me tratou no gênero errado e discutiu com minhas amigas que tentaram me defender. Tive que ficar na delegacia ao lado de alguns dos meus agressores, intactos, rindo, descontraídos enquanto eu e minhas amigas -traumatizadas, sujas do meu sangue pelo corpo inteiro- sentávamos lá esperando por horas pra prestar nosso depoimento (que, por fim, decidimos fazer no dia seguinte dado a toda exaustão física e mental extremamente presentes).
Mais uma vez o cistema provando que se protege. Nós ensaguentadas, enfaixada, chorando. Eles intactos, rindo. Nada foi feito.

NAO ACEITO VIVER ASSIM, NÃO ACEITO VIVER COM MEDO, NÃO ACEITO QUE FIQUEM IMPUNE QUEM ACHA QUE NOSSAS VIDAS SÃO DELES PRA TIRAR. NAO ACEITO MORRER :( E NAO ACEITO QUE ISSO PASSE BATIDO.

QUEM INCITOU E AJUDOU NA MINHA AGRESSÃO FOI UM DONO DE BARRAQUINHA DA CANTAREIRA. O MÍNIMO QUE QUERO É QUE ELE NUNCA MAIS TENHA DIREITO A VENDER NADA MAIS LÁ, MAS VOU ATE O FIM PRA VER ESSE PSICOPATA ATRÁS DAS GRADES.

Conto com a ajuda de quem puder pra fazer isso não passar batido. Como eu, houveram várias, mas farei meu máximo para que pare por aqui. NÓS NÃO MERECEMOS ISSO, NINGUÉM MERECE! Que seja feita a justiça dos homens, dos orixás e das travestis.
VÃO PAGAR!

Toda essa exposição é mto delicada e me coloca em um lugar muito vulnerável e humilhante. Pois bem, essa é a vida de quem é trans no Brasil. É bom que saibam.

 

Veja também:  Principal patrocinador de Bolsonaro, Paulo Marinho confessa que foram disparadas fake news durante campanha

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum