Imprensa livre e independente
24 de agosto de 2017, 20h39

Tua cantiga (uma nota rápida)

Não dá para ouvir Chico como quem ouve sertanejo universitário. Como não dá para ler Machado como quem lê autoajuda.

Não dá para ouvir Chico como quem ouve sertanejo universitário. Como não dá para ler Machado como quem lê autoajuda. Por Heitor Ferraz Mello O cara se acha ao máximo, tem ciúmes dele mesmo quando, no espelho, se imagina abraçado com a sua amada. Se acha o melhor poeta do mundo, comparável a Shakespeare, ou melhor, imitando-o na cara dura. Todo o lugar-comum lírico, o convencional, até mesmo o belo tradicional, comparecem na canção, mas com grande maestria. É a mão do artista embaralhando as cartas. Além disso, ele diz que larga mulher e filhos para ficar com a outra....

Não dá para ouvir Chico como quem ouve sertanejo universitário. Como não dá para ler Machado como quem lê autoajuda.

Por Heitor Ferraz Mello

O cara se acha ao máximo, tem ciúmes dele mesmo quando, no espelho, se imagina abraçado com a sua amada. Se acha o melhor poeta do mundo, comparável a Shakespeare, ou melhor, imitando-o na cara dura. Todo o lugar-comum lírico, o convencional, até mesmo o belo tradicional, comparecem na canção, mas com grande maestria. É a mão do artista embaralhando as cartas.

Além disso, ele diz que larga mulher e filhos para ficar com a outra. Mas quem disse que ela vai ficar com ele? Quando dizem que “não sou essa mulher, não me reconheço como essa musa”, pode-se argumentar que a moça da canção também pode pensar assim. Por que não? Num poeta consciente de sua linguagem, e mais, machadiano, um personagem desses chega totalmente envenenado aos ouvidos desatentos dos ouvintes.

Ouvir a canção achando que é uma mera cantada machista faz sentido, mas observando que ela chega com todo exagero lírico – tanto melódico como interpretativo – que é de se desconfiar e não de se fiar nessa voz. Chico não é um compositor confessional: pode até incluir experiências pessoais nas canções, mas seus personagens escorregam facilmente da mão, como muitos dos brasileiros de carne e osso, com aparente discurso esclarecido e até mesmo lírico (tipo o que Machado fez ao criar o Bentinho).

Veja também:  Janaína Paschoal: Decisão de Toffoli pró-Flávio Bolsonaro é "derrota na guerra contra a corrupção"

E, pela letra de Caravanas, outra canção do mesmo álbum, dá para perceber que ele está justamente tocando nesse discurso obscuro de certa classe nacional, que conhecemos muito bem. Falar dessas canções apenas com uma audição superficial é tomar uma rasteira do compositor e ficcionista. Não dá para ouvir Chico como quem ouve sertanejo universitário. Como não dá para ler Machado como quem lê autoajuda.

Foto: Reprodução/Facebook

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum