Imprensa livre e independente
07 de agosto de 2012, 13h37

TV Fórum: A Síria e a geopolítica no mundo árabe

Programa contou com a presença de Reginaldo Nasser, Mohamad El Kadri e o testemunho de quem viveu de perto o conflito no país

Programa contou com a presença de Reginaldo Nasser, Mohamad El Kadri e o testemunho de quem viveu de perto o conflito no país Por Igor Carvalho A TV Fórum da última segunda-feira abordou o conflito na Síria e a geopolítica no mundo árabe. Os sírios Amer Musarani e Mohammed Jihad trouxeram o olhar de quem viveu a guerra travada contra o regime de Bashar al-Assad, e o cientista político e professor de relações internacionais da PUC-SP, Reginaldo Nasser, contextualizou política e historicamente como a situação do país interfere no equilíbrio do Oriente Médio, ao lado do coordenador do Comitê de Solidariedade ao...

Programa contou com a presença de Reginaldo Nasser, Mohamad El Kadri e o testemunho de quem viveu de perto o conflito no país

Por Igor Carvalho

A TV Fórum da última segunda-feira abordou o conflito na Síria e a geopolítica no mundo árabe. Os sírios Amer Musarani e Mohammed Jihad trouxeram o olhar de quem viveu a guerra travada contra o regime de Bashar al-Assad, e o cientista político e professor de relações internacionais da PUC-SP, Reginaldo Nasser, contextualizou política e historicamente como a situação do país interfere no equilíbrio do Oriente Médio, ao lado do coordenador do Comitê de Solidariedade ao Povo Sírio, Mohamad El Kadri. O debate, mediado pelo editor da Fórum,  Renato Rovai, contou também com a participação do jornalista Lino Bocchini.

“O povo sírio fez uma escolha: quer liberdade, justiça e democracia, vai lutar contra Assad, e espero que seja breve.” A última frase de Kadri resume as intenções das forças de oposição à Bashar al-Assad. Reginaldo Nasser explicou o processo histórico que culminou no cenário de guerra vivido naquele país. De acordo com ele, os anos de exploração das duas gerações da família Assad, pai e filho, desaguaram na indignação de uma população jovem.

Veja também:  Nepotismo: "Se eu puder dar o filé mignon para o meu filho, eu dou", diz Bolsonaro sobre embaixada

Sobre os interesses externos, Nasser disse: “EUA é um dos maiores interessados, depois da queda do Egito, eles não querem perder influência na região”. Isso explicaria, para ele, o apoio norte-americano, que estaria fornecendo inclusive armamentos para fortalecer os rebeldes. Porém, o professor lembrou que o ditador sírio circulava entre a elite norte-americana, antes de assumir o poder.

Direitos Humanos

Jihad, que está refugiado no Brasil desde maio, contou que o motivo de sua fuga da Síria foram os filhos. “As forças de Bashar entraram no meu bairro atirando mísseis, ninguém entrava e saía. Até hoje, minha filha não pode ouvir barulho de rojões.” Masarani, se recordou da final vencida pelo Corinthians: “Quando eles ganharam a Libertadores, foram muitos fogos, essa menina se enfiou em baixo da mesa e não parava de chorar”. Apesar do sofrimento vivido em seu país de origem, Jihad deixou claro que quer muito voltar, mas sempre cede aos apelos da esposa, que não o quer longe da família.

Veja também:  Ação popular pede que Jair Bolsonaro seja proibido de nomear o filho para cargo de embaixador

A religião também foi tema. Kadri lembrou que “a questão religiosa é o pano de fundo para as questões socioeconômicas e até para a produção das guerras.” Os sírios presentes no debate pediram ajuda à embaixada brasileira e aos brasileiros que puderem contribuir com o sustento dos exilados políticos no país.

O debate foi realizado em parceria com a Casa Fora do Eixo e a União Nacional Islâmica (UNI).

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum