Imprensa livre e independente
29 de janeiro de 2014, 16h30

Um dos “5 Cubanos” será libertado em fevereiro

Fernando González Llort sairá da prisão nos EUA depois de 15 anos preso

Fernando González Llort sairá da prisão nos EUA depois de 15 anos preso Por Redação Fernando González Llort (Foto: Divulgação) O espião cubano Fernando González Llort, de 50 anos, que faz parte do grupo “Los Cinco”, será libertado depois de 15 anos cumo preso em Miami, nos EUA. A informação foi divulgada pelo advogado do cubano, Ira Kurzban, que confirmou que o espião será deportado para Havana. O “Los Cinco”  é formado cinco espiões cubanos detidos em 1998 e condenados em 2001 por atuar dentro dos EUA infiltrados em grupos anticastristas, para evitar ataques ao governo cubano. Llort foi condenado...

Fernando González Llort sairá da prisão nos EUA depois de 15 anos preso

Por Redação

Fernando González Llort (Foto: Divulgação)

O espião cubano Fernando González Llort, de 50 anos, que faz parte do grupo “Los Cinco”, será libertado depois de 15 anos cumo preso em Miami, nos EUA.

A informação foi divulgada pelo advogado do cubano, Ira Kurzban, que confirmou que o espião será deportado para Havana.

O “Los Cinco”  é formado cinco espiões cubanos detidos em 1998 e condenados em 2001 por atuar dentro dos EUA infiltrados em grupos anticastristas, para evitar ataques ao governo cubano.

Llort foi condenado a 17 anos de prisão por não se registrar como agente cubano nos EUA e por portar documentos falsos. Sua libertação será feita no dia 27 de fevereiro.

Com a liberdade de Llort, são dois dos cinco do grupo que estão libertados. Em 2011, René González saiu do cárcere e hoje reside em Havana. Os outros três agentes, Gerardo Hernández, Ramón Labañino e Antonio Guerrero, seguem cumprindo pena em Miami.

Veja também:  Damares defende Eduardo Bolsonaro como embaixador: "É um menino culto e inteligente"

Releia também:

Fernando Morais e os ecos de uma história que não acabou

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum