Imprensa livre e independente
04 de julho de 2017, 20h49

URGENTE: USP aprova adoção cotas raciais e sociais no vestibular

Após anos de discussão, uma das maiores universidades públicas do país finalmente adotou uma política de cotas para negros, pardos e indígenas no vestibular em todas as suas unidades, incluindo a Faculdade de Medicina, pela primeira vez na história. Número de vagas, no entanto, ainda está longe do ideal  Por Redação  Depois da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), agora foi a vez da Universidade de São Paulo (USP), uma das maiores universidades da América Latina, a aprovar a adoção de cotas raciais e sociais no vestibular para todas as suas unidades, incluindo a Faculdade de Medicina, pela primeira vez na...

Após anos de discussão, uma das maiores universidades públicas do país finalmente adotou uma política de cotas para negros, pardos e indígenas no vestibular em todas as suas unidades, incluindo a Faculdade de Medicina, pela primeira vez na história. Número de vagas, no entanto, ainda está longe do ideal 

Por Redação 

Depois da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), agora foi a vez da Universidade de São Paulo (USP), uma das maiores universidades da América Latina, a aprovar a adoção de cotas raciais e sociais no vestibular para todas as suas unidades, incluindo a Faculdade de Medicina, pela primeira vez na história. O Conselho Universitário aprovou a medida no início da noite desta terça-feira (4) após uma sessão de mais de seis horas.

O número de vagas ainda está longe de ser o ideal para equiparar a histórica exclusão de negros, negras e indígenas na universidade, mas já representa um avanço. A proposta vencedora, apoiada pelo sociólogo André Singer, teve 89 votos favoráveis e um contrária. Quatro pessoas de abstiveram.

Veja também:  Bolsonaro diz que Eduardo fritou hambúrguer nos EUA porque como deputado não tinha como bancá-lo

A proposta prevê que metade das vagas do vestibular sejam reservadas para alunos vindos de escolas públicas e, dessas vagas, 37,2% serão destinadas para estudantes autodeclarados pretos, pardos ou indígenas.
Este número, 37,2%, é o mesmo da proporção da população de São Paulo que se identifica como pretos, pardos ou indígenas.

Até então, não havia no vestibular da USP qualquer tipo de reserva de vaga a esse tipo de população. A universidade contava apenas com bonificações de 25% no vestibular, mas sem assegurar a vaga e muito menos o ingresso. A reserva de vagas para alunos negros, pardos ou indígenas dependia, ainda, do entendimento de cada faculdade que compõe a USP. A Faculdade de Medicina, por exemplo, nunca teve qualquer tipo de ação afirmativa no vestibular.

A luta por cotas sociais e raciais na USP é antiga e vem ganhando cada vez mais força ao longo dos anos. Nesta segunda-feira (3), um grupo de professores divulgou um manifesto apoiando a adoção das cotas.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum