Imprensa livre e independente
07 de julho de 2019, 08h02

Vaza Jato: Moro determinou que Lava Jato vazasse dados sigilosos sobre a Venezuela

Nova reportagem da Folha de S. Paulo em parceria com o The Intercept Brasil traz diálogos que mostram que Moro tramou o vazamento de informações da delação da Odebrecht sobre a Venezuela que estavam sob sigilo com o objetivo de influenciar na política do país vizinho

Dallagnol e Sergio Moro (Foto: Arquivo)
A “Vaza Jato”, série de reportagens do The Intercept Brasil com veículos parceiros que vem mostrando uma atuação parcial do ex-juiz Sérgio Moro em conluio com procuradores da Lava Jato, ganhou um novo capítulo neste domingo (7) com uma nova matéria, desta vez divulgada simultaneamente pelo site de Glenn Greenwald e pela Folha de S. Paulo. A nova reportagem traz diálogos que mostram uma articulação de Moro junto a procuradores da força-tarefa, principalmente Deltan Dallagnol, para vazar dados da delação da Odebrecht sobre a Venezuela que estava sob sigilo. “As conversas privadas pelo aplicativo Telegram em agosto de 2017 indicam...

A “Vaza Jato”, série de reportagens do The Intercept Brasil com veículos parceiros que vem mostrando uma atuação parcial do ex-juiz Sérgio Moro em conluio com procuradores da Lava Jato, ganhou um novo capítulo neste domingo (7) com uma nova matéria, desta vez divulgada simultaneamente pelo site de Glenn Greenwald e pela Folha de S. Paulo.

A nova reportagem traz diálogos que mostram uma articulação de Moro junto a procuradores da força-tarefa, principalmente Deltan Dallagnol, para vazar dados da delação da Odebrecht sobre a Venezuela que estava sob sigilo.

“As conversas privadas pelo aplicativo Telegram em agosto de 2017 indicam que a principal motivação para o vazamento era política, e não jurídica, e que os procuradores sabiam que teriam que agir nas sombras”, explica o site The Intercept Brasil.

“Os diálogos indicam que o objetivo principal da iniciativa era dar uma resposta política ao endurecimento do regime imposto pelo ditador Nicolás Maduro ao país vizinho, mesmo que a ação não tivesse efeitos jurídicos”, complementa a Folha de S. Paulo.

Somados às outras conversas vazadas, os diálogos inéditos mostram que Moro agiu não como juiz, mas sim como chefe da força-tarefa, colocando em xeque a conduta parcial que deveria ter.

Veja também:  Amor militante em "Divino Amor", de Gabriel Mascaro

“Talvez seja o caso de tornar pública a delação dá Odebrecht sobre propinas na Venezuela. Isso está aqui ou na PGR?”, sugeriu Moro a Dallagnol em 5 de agosto de 2017. Um ano antes, executivos da empreiteira tinham fechado um acordo com a Lava Jato e admitido que tinham pago propina a outros governos, além do Brasil, com o objetivo de obter benefícios em negociações. Um desses países seria a Venezuela de Nicolás Maduro, governo alinhado ao PT, partido que se tornou o principal alvo de Moro e cia.

As conversas indicam que o próprio chefe da força-tarefa, Dallagnol, tinha ciência que o vazamento das informações sobre a Venezuela, que estavam sob sigilo, era ilegal.

“Naõ dá para tornar público simplesmente porque violaria acordo, mas dá pra enviar informação espontânea [à Venezuela] e isso torna provável que em algum lugar no caminho alguém possa tornar público”, disse o procurador do Power Point.

Em meio às articulações de Moro e Dallagnol para influenciar nos rumos políticos de outro país, com o claro objetivo de prejudicar o governo de Nicolás Maduro, outros procuradores que participavam do chat expressavam preocupação. “Vejam que uma guerra civil lá é possível e qq ação nossa pode levar a mais convulsão social e mais mortes”, escreveu Paulo Galvão. “Imagina se ajuizamos e o maluco manda prender todos os brasieliros no territorio venezuelano”, disse Athayde Ribeiro Costa.

Veja também:  Na Venezuela, seguranças de Guaidó foram presos tentando vender fuzis das forças armadas

Dallagnol, no entanto, insistia em cometer a ilegalidade. “PG, quanto ao risco, é algo que cabe aos cidadãos venezuelanos ponderarem”, escreveu em resposta à mensagem de Paulo Galvão. “Eles têm o direito de se insurgir”, completou o chefe da força-tarefa.

O vazamento das informações sigilosas sobre a delação da Odebrecht na Venezuela chegou a ser concretizado outubro de 2017, poucos meses após a ex-procuradora-geral venezuelana Luísa Ortega Díaz, já destituída do cargo, ter se exilado no Brasil.

“Ortega chegou antes deles no Brasil, em 22 de agosto, duas semanas depois de a força-tarefa começar a se movimentar. ‘Vcs que queriam leakar as coisas da Venezuela, tá aí o momento. A mulher está no Brasil’, escreveu o procurador Paulo Galvão. Como se Galvão estivesse brincando, os colegas reagiram com ironias. Semanas depois, já em outubro, Ortega publicou em seu site dois vídeos: eram trechos de depoimentos do ex-diretor da Odebrecht na Venezuela Euzenando Azevedo, nos quais ele admite ter repassado 35 milhões de dólares da empreiteira à campanha eleitoral de Maduro. Na delação, ele também admitiu ter pagado 15 milhões de dólares para a campanha do candidato da oposição, Henrique Capriles, fato que não foi incluído nos vídeos divulgados por Ortega. Faltavam apenas cinco dias para as eleições dos governos estaduais quando a população venezuelana viu nas redes o ex-diretor da Odebrecht no país detalhando a corrupção no governo Maduro”, narra o The Intercept Brasil.

Veja também:  Coordenador da Lava-Jato na PGR deixa posto em protesto contra "lentidão" de Raquel Dodge

De acordo com o site, o vazamento de informações sigilosas da delação da Odebrecht sobre a Venezuela teria, inclusive, gerado “risco de vida” de ex-funcionários da empresa, procuradores e da própria população venezuelana.

Assista, abaixo, a análise do editor da Fórum, Renato Rovai, sobre os novos vazamentos.

Confira a íntegra do mais novo capítulo da Vaza Jato no The Intercept Brasil  e na Folha de S. Paulo.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum