Imprensa livre e independente
26 de junho de 2019, 07h45

Vazamento revela nova lista de propinas da Odebrecht que foram omitidas em delações anteriores

Reportagem mostra uma nova lista, proveniente de outro departamento da Odebrecht (setor de Operações Estruturadas), responsável por gerenciar os gastos da empresa com esquemas para conseguir novos contratos, muitas vezes com suborno incluído.

Segundo reportagem publicada pela revista Época, produzida junto com colaboradores do ICIJ (sigla do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos), o esquema organizado pela Odebrecht para a compra de contratos envolvia muitas outras figuras que ainda não haviam sido mencionadas nos documentos conhecidos sobre o caso até agora. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo A matéria mostra uma nova lista, proveniente de outro departamento da Odebrecht (setor de Operações Estruturadas), responsável por gerenciar os gastos da empresa com esquemas para conseguir novos contratos, muitas vezes com suborno incluído. Os vazamentos...

Segundo reportagem publicada pela revista Época, produzida junto com colaboradores do ICIJ (sigla do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos), o esquema organizado pela Odebrecht para a compra de contratos envolvia muitas outras figuras que ainda não haviam sido mencionadas nos documentos conhecidos sobre o caso até agora.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

A matéria mostra uma nova lista, proveniente de outro departamento da Odebrecht (setor de Operações Estruturadas), responsável por gerenciar os gastos da empresa com esquemas para conseguir novos contratos, muitas vezes com suborno incluído. Os vazamentos foram publicados originalmente pelo site equatoriano La Posta, obtidos pela agência de notícias Mil Hojas (também equatoriana) e compartilhados pelo ICIJ e outros 17 meios latino-americanos.

Também traz uma lista de casos de pagamento de propina, como os 39 milhões de dólares para uma obra para uma usina de carvão em Punta Catalina, na República Dominicana; uma série de 17 pagamentos relacionados a um gasoduto peruano, que chegariam a um total aproximado de 3 milhões de dólares; os e-mails sobre os pagamentos feitos por um banco da Odebrecht a empresas fantasmas para a construção do metrô de Quito, que mobilizou outros 2 bilhões de dólares, entre outros exemplos.

Veja também:  O conto da carochinha: a união entre patrões e empregados para um mundo melhor

Além disso, mostra que o esquema incluía o uso de empresas offshore, utilizadas para a evasão de impostos relacionados a esses pagamentos secretos, e que passavam por bancos em países dos Estados Unidos, China, Suíça, Holanda, Emirados Árabes Unidos, Panamá e Antígua.

A reportagem calcula que a Odebrecht teria gasto um total de 788 milhões dólares em propinas somente entre 2001 e 2016, o que teria rendido lucros ilegais de cerca de 3,3 bilhões de dólares, segundo o Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum