Imprensa livre e independente
20 de fevereiro de 2013, 12h36

Venezuela rejeita declarações dos EUA sobre “transição” no país

Governo venezuelano criticou a "nova e grosseira" ingerência norte-americana nos assuntos internos de Caracas

Governo venezuelano criticou a “nova e grosseira” ingerência norte-americana nos assuntos internos de Caracas Do Opera Mundi Governo venezuelano afirmou que declarações de Nuland desrespeitam a soberania política da Venezuela e o processo de recuperação de Hugo Chávez (Foto: AVN) O governo da Venezuela rejeitou nesta quarta-feira (20/02) declaração feita pela porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Victoria Nuland, que afirmou ontem que Washington deseja ver “uma transição” caso o presidente Hugo Chávez não tenha condições de seguir governando o país. O líder venezuelano retornou na segunda-feira (18/02) à Caracas, após mais de dois meses de tratamento contra...

Governo venezuelano criticou a “nova e grosseira” ingerência norte-americana nos assuntos internos de Caracas

Do Opera Mundi

Governo venezuelano afirmou que declarações de Nuland desrespeitam a soberania política da Venezuela e o processo de recuperação de Hugo Chávez (Foto: AVN)

O governo da Venezuela rejeitou nesta quarta-feira (20/02) declaração feita pela porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Victoria Nuland, que afirmou ontem que Washington deseja ver “uma transição” caso o presidente Hugo Chávez não tenha condições de seguir governando o país. O líder venezuelano retornou na segunda-feira (18/02) à Caracas, após mais de dois meses de tratamento contra um câncer em Havana e desde então está internado em hospital da capital.

Em comunicado, o governo venezuelano disse que o comentário de Nuland “constitui uma nova e grosseira ingerência do governo de Washington nos assuntos internos da Venezuela”. Além disso, diz que está “em perfeita sintonia com o discurso da desestabilizadora e corrupta direita venezuelana, o que evidencia, uma vez mais, os laços de subordinação da burguesia local com os interesses do império.”

Veja também:  Sergio Moro usa 'tática cínica' para 'enganar o público', diz Glenn na Câmara

Nuland afirmou que, “caso o presidente Chávez fique permanentemente incapaz de servir [o país], o nosso entendimento é que a Constituição venezuelana exige que haja uma eleição para encontrar um novo presidente”. Ela também falou que, “obviamente, cabe aos venezuelanos decidirem como irá ocorrer essa transição. Houve eleições, mas não houve juramento do cargo”.

Na segunda-feira, uma fonte diplomática norte-americana, citada pela Agência France Presse, disse que, “se [Chávez] não puder cumprir com os deveres do cargo, a Constituição venezuelana requer uma eleição para eleger o novo presidente”.

Relações

Reeleito no dia 7 de outubro, Chávez não pôde tomar posse em 10 de janeiro como prevê a Constituição por estar hospitalizado em Havana após a quarta operação contra um câncer em dezembro. O Supremo Tribunal de Justiça aprovou que assumisse o mandato em uma data posterior. A decisão foi criticada pela oposição, que pleiteou a declaração de falta absoluta do presidente e a posterior convocação de novas eleições pelo presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello.

Veja também:  Chefe do Comando Sul dos EUA visita o Cone Sul, com foco na Venezuela

A Venezuela e os EUA mantêm relações diplomáticas tensas. Caracas sustenta que Washington teve participação direta no golpe de Estado contra Chávez em abril de 2002. Desde 2010 os países estão sem os seus respectivos embaixadores. Recentemente, mantiveram alguns contatos que visavam melhorar os laços.

* Com informações da AVN (Agência Venezuelana de Notícias)

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum