Imprensa livre e independente
05 de janeiro de 2013, 18h36

Vida ou liberdade?

Cuba tem a menor taxa de mortalidade infantil da América, respeitando o primeiro grande direito da humanidade: o nascimento

Cuba tem a menor taxa de mortalidade infantil da América, respeitando o primeiro grande direito da humanidade: o nascimento Marco Piva O Sistema Nacional de Saúde de Cuba divulgou que a taxa de mortalidade infantil atingiu 4,6 crianças até o primeiro ano de vida para cada mil nascidas em 2012. É o menor índice da América e deixa para trás o Canadá (5/1.000) e os Estados Unidos (7/1.000). Numa conta ligeira, o pequeno país do Caribe ganhou 2,4 vidas a mais em cada grupo de mil crianças do que o grande país do norte. Um dado para se comemorar, sem...

Cuba tem a menor taxa de mortalidade infantil da América, respeitando o primeiro grande direito da humanidade: o nascimento

Marco Piva

O Sistema Nacional de Saúde de Cuba divulgou que a taxa de mortalidade infantil atingiu 4,6 crianças até o primeiro ano de vida para cada mil nascidas em 2012. É o menor índice da América e deixa para trás o Canadá (5/1.000) e os Estados Unidos (7/1.000). Numa conta ligeira, o pequeno país do Caribe ganhou 2,4 vidas a mais em cada grupo de mil crianças do que o grande país do norte. Um dado para se comemorar, sem estender a comparação a outras nações do continente, o que tornaria a estatística ainda mais favorável a Cuba.

Por pressão internacional, os prisioneiros políticos também diminuíram, restando, segundo dados do governo cubano, 49 pessoas nessa condição. Podem haver outras, camufladas em penas por crimes comuns, mas oficialmente, por discordar do regime, não chegam a meia centena frente aos mais de 200 prisioneiros que haviam há dez anos.

Medidas recentes no campo econômico mostram um país em mudança. Os pequenos negócios, antes considerados como “desvios burgueses”, ganham importância no setor de serviços que atende, principalmente, o dinâmico turismo da ilha. Os chamados “cuentapropistas” estão abrindo restaurantes, pousadas, serviços de transporte e pequenas vendas. No campo, a propriedade da terra deixou de ser tabu e se converte na tábua de salvação de uma agricultura que apresentou níveis sofríveis de produção nas últimas safras, especialmente a de cana de açúcar. As cooperativas crescem com a possibilidade de seus associados reterem os lucros e geri-los da forma que quiserem.

Veja também:  As ruas faltaram ao encontro

Os críticos do regime cubano reconhecem nessas medidas o fracasso do sistema socialista e o caminho sem volta para a democracia, o que na cabeça deles quer dizer “liberalismo”. Sonham com o modelito clássico de muitos partidos e uma economia aberta, mantida pelo mercado. Seria, para esses críticos, o triunfo da liberdade. Já os cubanos apostam no fortalecimento do socialismo e entendem as mudanças como prova do amadurecimento desse caminho.

Mas, o que é exatamente liberdade? Ter a liberdade de dizer o que se pensa é uma delas. Exercer o direito de ir e vir é outra. O que não cabe em qualquer raciocínio, de direita ou de esquerda, é aquele de acreditar de alguém possa ser livre sem sequer ter tido a chance de nascer. O nascimento é o primeiro grande direito da humanidade. Se a criança morre antes de completar seu primeiro ano, morre com ela mais um possível defensor da liberdade.

Vida e liberdade são direitos indispensáveis. Portanto, quanto mais vida, mais liberdade o mundo terá. O exemplo de Cuba no cuidado com as suas crianças exige de todos nós maior solidariedade e tolerância muito mais do que a afirmação do falso antagonismo entre vida e liberdade.

Veja também:  Perdida na guerra semiótica, esquerda agora ataca Tabata Amaral

Marco Piva é jornalista.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum