segunda-feira, 21 set 2020
Publicidade

#INFUXWETRUST: tentáculos da LAVA JATO no STF e no BOLSONARISMO

Entusiasta da Lava Jato, o ministro Luiz Fux toma posse nesta quinta-feira no Supremo Trinal Federal, um dia após a operação autorizada pelo juiz bolsonarista Marcelo Bretas em vários escritórios e residências de advogados, entre eles os de Roberto Teixeira e Cristiano Zanin Martins, defensores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Ana Teresa Basílio, advogada do governador afastado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel e Frederick Wassef, ex-advogado do clã bolsonarista.

A Ordem dos Advogados do Brasil) classificou a operação justificada numa investigação sobre possível desvio de R$ 355 milhões do Sistema S como “uma clara iniciativa de criminalização da advocacia brasileira”.

Wassef culpou a advogada de Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), Luciana Pires, pela inclusão de seu nome na investigação, desencadeada a partir de delação premiada do ex-presidente da Fecomércio, Orlando Diniz.

Segundo a coluna de Bela Megale, no jornal O Globo desta quinta-feira (10), a aliados, Wassef contou que Luciana Pires é sócia de Juliana Bierrenbach, que conduziu as negociações do acordo de Diniz com o Ministério Público Federal do Rio. A advogada de Flávio Bolsonaro, no entanto, nega ter atuado no caso.

Sob o comando de Fux, STF deverá responder, entre outras provocações, ao pedido de foro privilegiado de Flávio Bolsonaro no caso das rachadinhas e à investigação sobre interferência indevida do presidente Jair Bolsonaro na autonomia da corporação.

Esse e outros assuntos você acompanha no Fórum Café que hoje recebe também o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS).
Apresentação: Cristina Coghi e Plínio Teodoro.

Plinio Teodoro
Plinio Teodoro
Plínio Teodoro Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.