Militares: Lembrem-se de Villas Bôas e Eitchgoyen e da corrupção moral das Forças Armadas

A nota contra a CPI só mostra que a cúpula das Forças Armadas quer que milhares de brasileiros continuem vítimas do genocídio imposto por Bolsonaro enquanto comem picanha e tomam suas cervejas Heineken às custas do dinheiro público

A reação das Forças Armadas, em conluio com o ministro da Defesa, Braga Netto, ao ter militares corruptos expostos por Omar Aziz, presidente da CPI do Genocídio, mostra que a caserna ainda tenta se colocar como uma casta privilegiada em meio ao mar de lama – e de corrupção – em que jogaram novamente o Brasil.

A exemplo de 64, quando cumpriam ordens do Tio Sam – ainda cortejado nas redes sociais -, as Forças Armadas mergulharam de cabeça no mais recente golpe, primeiramente com o tuíte de Eduardo Villas-Bôas prometendo convulsão social caso o STF libertasse Lula da injusta prisão a que foi submetido pela Lava Jato.

O mesmo Villas-Bôas tramou com Sergio Etchegoyen e Michel Temer a derrubada de Dilma Rousseff (PT) por um “impeachmente” sem crime em reunião inescrupulosa nos bastidores do Planalto.

Braga Netto, que assina a nota, conhece como poucos a relação criminosa entre o clã Bolsonaro e as milícias do Rio de Janeiro.

Isso sem contar a caixa-preta do Superior Tribunal Militar, que passa pano para todo tipo de falcatrua e corrupção que existe nas Forças Armadas.

A nota só mostra que a cúpula das Forças Armadas quer que milhares de brasileiros continuem vítimas do genocídio imposto por Bolsonaro enquanto comem picanha e tomam suas cervejas Heineken às custas do dinheiro público.

Participe da edição desta quinta-feira (8) do Fórum Café.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR