Imprensa livre e independente
07 de fevereiro de 2019, 18h02

Washington já decidiu intervir militarmente na Venezuela, diz porta-voz da Rússia

Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que o governo dos Estados Unidos está "preparando o cenário" para um intervenção militar na Venezuela e que toda a narrativa de "intervenção humanitária" não passa de uma "operação de encobrimento"

A porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da Rússia, María Zajárova (Foto: Sputnik / Vladimir Astapkovich)
A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, María Zajárova, afirmou nesta quinta-feira (7) que o governo dos Estados Unidos já tem tomada a decisão de intervir militarmente e com o uso da força na Venezuela. As informações são do RT, canal estatal russo de televisão. “Continuam chegando sinais de Washington sobre a possibilidade de usar a força para derrubar as autoridades legítimas através de uma intervenção militar direta”, disse a representante do governo da Rússia, país que é aliado presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. A crise no país caribenho se acentuou depois que o deputado oposicionista Juan Guaidó,...

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, María Zajárova, afirmou nesta quinta-feira (7) que o governo dos Estados Unidos já tem tomada a decisão de intervir militarmente e com o uso da força na Venezuela. As informações são do RT, canal estatal russo de televisão.

“Continuam chegando sinais de Washington sobre a possibilidade de usar a força para derrubar as autoridades legítimas através de uma intervenção militar direta”, disse a representante do governo da Rússia, país que é aliado presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

A crise no país caribenho se acentuou depois que o deputado oposicionista Juan Guaidó, com o apoio dos Estados Unidos, se autoproclamou presidente República. Ele foi reconhecido por uma série de países aliados aos EUA e pela União Europeia. Países como China, Turquia e Rússia, no entanto, seguem reconhecendo a legitimidade de Maduro.

Para a porta-voz do governo da Rússia, a presença de militares norte-americanos na área de fronteira da Venezuela, que ocupam essas regiões sob a justificativa da “ajuda humanitária”, não passa de uma “operação de encobrimento” que tem, por objetivo, a intervenção militar direta.

Veja também:  Ligado a ruralistas, novo presidente da Funai já processou o órgão por "violação da honra"

“Nesta situação, você chega a uma conclusão óbvia: de que Washington já tomou a decisão de intervir militarmente na Venezuela. Todo o resto é operação de encobrimento”, disparou.

As declarações de Zajárova vêm quatro dias após o próprio presidente dos EUA, Donald Trump, admitir que tem a intervenção militar como uma “opção” para resolver a crise na Venezuela.

“Gostaria de lembrar que tais declarações de autoridades norte-americanas são uma violação direta do artigo da Carta da ONU, que obriga todos os membros da organização a não ameaçarem ou fazerem o uso da força em suas relações internacionais”, disse a porta-voz.

“Cúmulo do cinismo”

Na mesma declaração desta quinta-feira (7), a porta-voz do governo russo chamou de “cúmulo do cinismo” a postura dos Estados Unidos ao criticar o governo de Nicolás Maduro ao mesmo tempo em que impõe sanções econômicas que agravam a crise no país.

“Eles dizem que os venezuelanos vivem mal com este governo. Bem, não imponham sanções! Deixe o estado vivo para que se desenvolva e resolva seus próprios problemas, não os agrave”, pontuou.

Veja também:  Será que uma revolução político-social é possível no Brasil?

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum