Imprensa livre e independente
13 de março de 2019, 07h34

Washington Post anuncia correspondente para cobrir “mudança em direção à autocracia” no Brasil

Segundo o Whashington Post, jornalista terá a missão de cobrir questões que o Brasil enfrenta atualmente como "uma mudança em direção à autocracia; violentas tensões sobre raça e violência; ameaças urgentes ao meio ambiente, e particularmente à Amazônia"

Bolsonaro em evento com militares (Foto: Marcos Corrêa/PR)
O jornal estadunidense The Washington Post anunciou nesta terça-feira (12) o nome do jornalista Terrence McCoy como correspondente da publicação no Brasil. Segundo nota no jornal, Terry – como é chamado – terá a missão de cobrir questões que o Brasil enfrenta atualmente como “uma mudança em direção à autocracia; violentas tensões sobre raça e violência; ameaças urgentes ao meio ambiente, e particularmente à Amazônia”. Na nota, o jornal diz ainda que “muitas das questões que o Brasil enfrenta odem ser vistas como microcosmos de desafios globais mais amplos”. Terry cresceu em Wisconsin e é graduado pela Universidade de Iowa....

O jornal estadunidense The Washington Post anunciou nesta terça-feira (12) o nome do jornalista Terrence McCoy como correspondente da publicação no Brasil.

Segundo nota no jornal, Terry – como é chamado – terá a missão de cobrir questões que o Brasil enfrenta atualmente como “uma mudança em direção à autocracia; violentas tensões sobre raça e violência; ameaças urgentes ao meio ambiente, e particularmente à Amazônia”.

Na nota, o jornal diz ainda que “muitas das questões que o Brasil enfrenta odem ser vistas como microcosmos de desafios globais mais amplos”.

Terry cresceu em Wisconsin e é graduado pela Universidade de Iowa. Ele foi voluntário do Corpo da Paz no Camboja, formou-se na Columbia Journalism School, trabalhou no Miami New Times e no Houston Press antes de se juntar ao The Post em 2014.

Grande parte do trabalho do jornalista, segundo a publicação, foi dedicado a questões sociais no Brasil, com foco na pobreza rural e urbana. “Seu trabalho incluiu a série de 2015 sobre a exploração financeira de vítimas de envenenamento por chumbo, pela qual ele ganhou um prêmio”.

Veja também:  Cubano tenta vaga de gari no Piauí, mas é recusado por atuação no Mais Médicos

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum