Blog do George Marques

direto do Congresso Nacional

Fórumcast, o podcast da Fórum
03 de abril de 2019, 17h18

Guedes defende sistema de capitalização e é criticado por parlamentares

O ministro da Economia voltou a defender que a reforma da Previdência resulte em economia mínima de R$ 1 trilhão nos próximos dez anos para financiar a transição para o sistema de capitalização; "Por que os militares não vão para a capitalização se ela é tão boa?", questionou Alencar Santana (PT-SP)

Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados

Em sessão sobre reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara com o ministro Paulo Guedes, nesta quarta-feira (3), o deputado Reginaldo Lopes (PT-MG) disse que o ministro é mais perverso do que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso quando fez mudanças no sistema previdenciário.

O deputado do PT afirmou que Guedes “faltou com a verdade” ao declarar que o governo gasta R$ 700 bilhões com a Previdência Social. Para o congressista, parte desses recursos foi para pagamento da seguridade social. Aos gritos e batendo na mesa, Lopes disse que Guedes mentiu: “É seguridade social”. O presidente da CCJ, Felipe Francischini (PSL-PR), teve que conter mais um início de bate-boca e pediu respeito ao ministro.

Lopes acusou a mídia de tratar o ministro da Economia como último “gatorade do deserto” e afirmou que esperava uma apresentação mais técnica de Guedes.

O ministo, por sua vez, defendeu a proposta da capitalização, dizendo que esse sistema segue princípios saudáveis. “Por exemplo, não tem bomba demográfica”. Para ele, o atual regime previdenciário, de repartição, é uma fábrica de desigualdades.

Já o deputado Alencar Santana Braga (PT-SP) disse que o governo “vive com base na mentira” e questionou a intenção de Guedes de propor o sistema de capitalização.

“Se o sistema atual que tem três financiando (trabalhador, empregador e governo) está falido como vai ficar a capitalização em que só o trabalhador contribui?”, inqueriu. Ele ainda provocou o ministro sobre a proposta dos militares, que foi apresentada separadamente. “Por que os militares não vão para a capitalização se ela é tão boa?”, questionou.

Em relação às proposições de mudanças para aposentadoria rural, o ministro afirmou que a ideia é minimizar que pessoas que vivem em ambientes urbanos adiram a esta modalidade de aposentadoria. “Como é que pode ter 6 milhões de pessoas no campo e 9 milhões de pessoas recebendo?”, questionou Alencar.

Com informações da Agência Câmara


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum