terça-feira, 22 set 2020
Publicidade

“Não precisamos de mais 20 anos de atraso que a ditadura proporcionou”, diz Benedita sobre 31 de março

Na última segunda (25) o porta-voz da Presidência, Otávio Rego Barros, chocou o país com a informação que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) havia determinado ao Ministério da Defesa fazer “as comemorações devidas” no aniversário da ditadura que iniciou em 1964. Nessa quinta (28) a deputada Benedita da Silva (PT-RJ) avaliou como um absurdo a figura do presidente da República incitar esse tipo de celebração no país.

“Nós tivemos uma ditadura que sacrificou o povo brasileiro, que deixou como legado o maior índice de desemprego, uma economia lá embaixo, além das torturas que foram feitas”, lamentou.

Ao blog Benedita relembra as atrocidades da época, a proibição de práticas religiosas do sistema repressivo que deixou o país em “pausa democrática” por 20 anos. “Nós não queremos que o Brasil comemore isso, porque na verdade eles querem comemorar as torturas que fizeram no passado”.

O Ministério Público Federal reagiu e criticou a comemoração sugerida pelo presidente: “O ato se reveste de enorme gravidade constitucional, pois representa a defesa do desrespeito ao Estado Democrático de Direito, já que celebra um golpe de Estado e um regime ditatorial”, diz o MPF.

“A ditadura trouxe vinte anos de atraso para o Brasil e quanto a isso não precisamos mais”, disse Benedita. A congressista diz até “entender” a postura do presidente em saudar um regime autoritário, já que Bolsonaro fez política e se criou nesse espaço.

“Mas só poderia mesmo ser esse presidente, porque alguém que homenageou o torturador de Dilma Rousseff, agora quer homenagear essa data das torturas feitas no Brasil”, criticou a parlamentar. “Dia 31 iremos para as ruas de preto em sinal de luto. E o pior, até mentem, porque não foi em 31 de março, mas em primeiro de abril, dia da mentira”, relembrou a congressista.

George Marques
George Marques
Jornalista e Relações Públicas pela Faculdade JK de Brasília. É também especialista em comunicação pública e comunicação política no legislativo, tendo já sido indicado ao Prêmio Comunique-se de Jornalismo Político. Já trabalhou na cobertura de política para o site The Intercept Brasil e Metrópoles. É colunista da Fórum.