Blog do Mouzar

#Fórumcast, o podcast da Fórum
15 de agosto de 2019, 23h02

Não basta ser obscuro, tem que louvar o obscurantismo

No Blog do Mouzar: Temos no poder gente que gosta de sua ignorância, e considera que gente “normal” tem que ser igual a elas. O diferente merece a morte, na tortura ou na fogueira

Foto: José Cruz/Agência Brasil

(Obscurantismo: tendência política a dificultar o progresso intelectual ou acesso do povo tanto à ciência como às artes, com o fim de explorar suas crendices e superstições).

Não vale a pena lembrar aqui o que fazem e dizem o presidente da República, seus ministros, partidários e seguidores.

O certo é que temos no poder, e sendo aplaudidas e apoiadas por muito mais gente do que seria pensável, pessoas não apenas obscuras, mas que louvam o obscurantismo. Odeiam a cultura, a educação, a ciência, a inteligência, a cordialidade, a arte… E fazem questão de mostrar isso, cotidianamente.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

Gostam de sua ignorância, e consideram que gente “normal” tem que ser igual a elas. O diferente merece a morte, na tortura ou na fogueira.

Uma pessoa pode ser “obscura” por falta de condições. Pode não ter tido acesso à educação, à cultura, à “luz”, enfim. Os obscurantistas são ignorantes que louvam a ignorância. E ameaçadores – por enquanto: se puderem vão chegar logo às vias de fato para eliminar a não ignorância, impor sua ignorância.

E isso não está associado simplesmente à escolaridade. Há analfabetos não obscuros e gente metida a estudada e moderna que, esses sim, são, mais que obscuros, obscurantistas. Têm condições de deixar de ser, mas não deixam, nem querem. Se apegam à sua ignorância como sendo a única verdade. E falam como sendo eles as “pessoas de bem”.

Mais uma coisa: Joseph Goebbels, ministro da Propaganda da Alemanha nazista, dizia que uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade. No Brasil, os obscurantistas da propaganda fazem isso direto sem muito esforço: mentem descaradamente e seus seguidores, obscurantistas menores, tratam como verdades absolutas e reproduzem aos milhares nas “mídias sociais” e tornam-se verdades raivosas. Mamadeira com bico de piroca, terra plana, qualquer coisa vira “verdade”. E quem duvida é um canalha. Apresentam-se reformas e decisões governamentais horrorosas para os pobres, mas dizendo que é para o bem deles, e os seus seguidores repetem, repetem e repetem, e até suas vítimas passam a tratar como verdades.

Já que falei em Goebbels, lembro de dizerem aqui que o nazismo era de esquerda. Conheci uma judia bolsonarista, cujo pai tinha tatuado no braço um número que o identificava no campo de concentração. E ela repetiu isso para mim: “O nazismo era de esquerda”.

Coletei por aí umas frases que considero adequadas a esse pessoal. Vamos a elas.

Alice Walker: “Não pode ser meu amigo quem exige meu silêncio”

Shakespeare: A sabedoria e a ignorância se transmitem como as doenças, daí a necessidade de se saber escolher as companhias”.

Goethe: “Nada mais assustador que a ignorância em ação”.

Karl Popper: “Não é possível discutir racionalmente com alguém que prefere matar-nos a ser convencido pelos nossos argumentos”.

Nicolas Boileau: “A ignorância está sempre pronta a admirar-se a si própria”.

Nicolas Boileau, de novo: “Um idiota sempre encontra um idiota ainda maior para admirá-lo”.

Clarice Lispector: “Os ignorantes são mais felizes”.

Bertrand Russell: “Poucas pessoas podem ser felizes a menos que odeiem alguma pessoa, nação ou crença”.

Ditado popular: “Ao ignorante sempre aborrece o sabedor”.

Provérbio budista: “Há uma ferrugem pior do que todas: chama-se ignorância”.

Miguel Couto: “A ignorância não é só causa de doenças, como doença das mais sérias, comparáveis à microcefalia”.

Miguel Couto, de novo: “A ignorância é uma calamidade pública como a guerra”.

H. L. Mencken: “Mostre-me um puritano e eu lhe mostrarei um filho da puta”.

Confúcio: “Somente os extremamente sábios e os extremamente estúpidos é que não mudam”.

Mahtama Ghandi: “Olho por olho, e o mundo acabará cego”.

Provérbio português: “O ignorante é pouco tolerante”.

Provérbio judaico: “O ignorante não pode ser piedoso”.

Oscar Wilde: “Os loucos às vezes se curam, os imbecis nunca”.

Oscar Wilde, de novo: “Não há pecado maior do que a estupidez”.

Getúlio Vargas: “É mais difícil tratar com um burro de má-fé do que com um homem inteligente de má-fé”.

Provérbio japonês: “Quando um sábio aponta para o céu, o ignorante olha o dedo”.

Disraeli: “Conscientizar-se da própria ignorância é um grande passo para aprender”.

Nietzsche: “A fé é ignorar tudo aquilo que é verdade”.

Sófocles: “A ignorância é um mal invencível”.

Napoleão Bonaparte: “As verdadeiras conquistas, as únicas de que nunca nos arrependemos, são aquelas que fazemos contra a ignorância”.

Provérbio português: “A ignorância obra monstros”.

Jair Bolsonaro (exibindo uma camiseta com esse dístico): “Direitos Humanos: esterco da vagabundagem”.

Giordano Bruno: “Ignorância e arrogância são duas irmãs inseparáveis, com um só corpo e alma”.

Amos Alcott: “Ignorar a própria ignorância é a doença do ignorante”.

Malba Tahan: “O interesse que cega alguns, é luz para outros”.

Orson Welles: “É preciso ter dúvidas. Só os estúpidos têm uma confiança absoluta em si mesmo”.

Cícero: “A ignorância é a enfermidade do gênero humano”.

Simon Bolívar: “Um povo ignorante é instrumento cego de sua própria destruição”.

Salomão: “Quem é sábio procura aprender, mas os tolos estão satisfeitos com sua ignorância.

Cesare Cantú: “O ignorante não é um lastro, mas um perigo na embarcação social”.

Marquês de Maricá: “O ignorante espanta-se do mesmo que o sábio admira”.

Buda: “O conflito não entre o bem e o mal, mas entre o conhecimento e a ignorância”.

Isaac Asimov: “Se o conhecimento pode criar problemas, não é através da ignorância que podemos solucioná-los”.

Provérbio árabe: “Um dia do sábio vale mais que a vida do ignorante”.

Stanislaw Ponte Preta: “Imbecil não tem tédio”.

Eduardo Galeano: “O medo nos governa. Esta é uma das ferramentas de que se valem os poderosos, a outra é a ignorância”.

Tati Bernardi: “As redes sociais profissionalizaram a imbecilidade. Fofoqueiros e invejosos se acham doutores e a maledicência ganhou ares de debate profundo”.

Einstein: “Duas coisas são infinitas: o universo e a estupidez humana. Mas, sobre o universo ainda não tenho certeza absoluta”.

São Francisco de Assis: “Onde há amor e sabedoria, não tem temor nem ignorância”.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum