Coca Cola explora trabalho infantil na Colômbia, denuncia sindicalista

Estou postando abaixo umas fotos que recebi nesta manhã do presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentos da Colômbia, Luis Javier Correa Suarez. O conheci em Mombai, na Índia, quando da ocasião do Fórum Social Mundial. Naquele evento ele me entregou uma série de documentos apontando irregularidades realizadas pela Coca Cola em seu país. […]

Estou postando abaixo umas fotos que recebi nesta manhã do presidente do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentos da Colômbia, Luis Javier Correa Suarez. O conheci em Mombai, na Índia, quando da ocasião do Fórum Social Mundial. Naquele evento ele me entregou uma série de documentos apontando irregularidades realizadas pela Coca Cola em seu país. Entre eles, havia denúncias de que a multinacional estava perseguindo sindicalistas e os ameçando de morte. Desde aquela época que me programo para ir a Colômbia, mas infelizmente até hoje não foi possível.

Parentêses: falam tanto de Chávez, mas as denúncias sobre as ações realizadas pelo governo Uribe contra as liberdades no país são chocantes. Há casos e casos de opositores perseguidos e assassinados.

Bem, mas o caso aqui é outro. Hoje li uma nota em algum site de que para comemorar o dia do meio ambiente a marca de refrigerante iria passar a devolver a água que usa tratada. Tá ficando fácil para esse povo fazer de conta que é socialmente responsável.

A denúncia de Javier Correa é de que na Colômbia a Coca Cola tem usado trabalho infantil para a distribuição do seu produto. E que essas crianças não recebem nem o salário mínimo e tampouco são registradas. Seria importante que a Coca Cola Brasil, que anda investindo em publicidade socialmente responsável, se pronunciasse a respeito. 

 

 

Publicidade
Avatar de Renato Rovai

Renato Rovai

Jornalista, mestre em Comunicação pela ECA/USP e doutor pela UFABC. Mantém o Blog do Rovai. É editor da Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR