domingo, 20 set 2020
Publicidade

Com Felipe Neto Fake News vira bomba semiótica

Combate às fake news voltou à pauta da grande mídia depois de anos de silêncio desde o hipe de 2016 e a omissão durante a campanha presidencial de 2018. Volta à pauta com um garoto propaganda: o youtuber Felipe Neto, a versão digital de Luciano Huck em seu momento mercadológico de reposicionamento de discurso, fazendo “mea culpas” e dizendo que “leu muito” e mudou de opinião. Com o influenciador digital, convidado por Rodrigo Maia para debater o tema no Congresso, a grande mídia volta a repercutir o combate às fake news como mais uma bomba semiótica: desviar o foco da atenção do respeitável público para os malvados favoritos de sempre – o “gabinete do ódio” do clã Bolsonaro e as buchas de canhão do “Brasil profundo”. Desviar do quê? Da embaraçosa questão de quem financia as caras táticas digitais e que o Projeto de Lei das Fake News faz parte de um movimento em pinça: hoje, enquadra os perfis “fascistas”. Amanhã, será a mídia alternativa de oposição. Tudo dentro da legalidade. Como sempre, “em defesa da Democracia”.

É previsível que num País cujo monopólio midiático determina os destinos políticos e a agenda pública, a cada temporada surge algum personagem campeão de audiência para arriscar a sorte no cenário político do momento.

Por exemplo, foi assim com o apresentador e dono do SBT Sílvio Santos – passou a cogitar uma vida pública quando um problema nas cordas vocais pôs em risco sua vida de apresentador. A apenas quinze dias da primeira eleição presidencial pós-ditadura militar em 1989, Sílvio Santos já estava entre os favoritos. Uma rasteira jurídica vinda do comitê da campanha de Collor o retirou do páreo com a descoberta de irregularidades no partido de Sílvio, confirmadas pelo TSE.

Entre idas e vindas, aos poucos outro apresentador, Luciano Huck, da Globo, demonstra que almeja horizontes muito além do programa Caldeirão do Huck: ou nos boatos como possível candidato à presidência, ou dando pitacos sobre política, economia e educação na grande mídia e redes sociais ou à frente do seu Instituto Criar.

O atual presidente Bolsonaro e o Governador de São Paulo, João Doria Jr, são produtos midiáticos diretos: o primeiro, praticamente um cosplay do meme “Thug Life” turbinado por programas de TV como CQC e Super Pop, além do que se tornou principal fonte de informação do brasileiro, o WhatsApp; e o segundo, banqueteiro da elite de novos ricos empresariais rentistas cuja imagem construída em programas de TV como Show Business e O Aprendiz criou o herói meritocrático e da suposta excelência empreendedora paulista.

E agora, entra em cena mais um campeão de audiência, dessa vez produto dos novos monopólios das grandes empresas de tecnologia que ameaçam o monopólio das mídias de massas: o youtuber Felipe Neto.

É o personagem midiático-político do momento, com a trajetória recente pela mídia tradicional como o Roda Viva da TV Cultura, o convite do presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia, para debater como combater as fake news e, o ápice, uma entrevista especial ao vivo na GloboNews.

Felipe Neto: o “case” perfeito

Depois que o “Guerreiro de Bolsonaro” (um tal de “Cavallieri”) gritou nos alto-falantes, na frente da casa do influenciador digital, de que ele é “Pilantra e pedófilo disfarçado de apresentador de crianças” e aparecerem montagens nas redes sociais com mensagens que o acusam de “apologia à pedofilia”, Felipe Neto tornou-se o “case” perfeito para fundamentar o Projeto de Lei das Fake News – entre outras coisas, o texto estabelece o recadastramento de chips de celulares pré-pagos, a proibição de disparos em massa de mensagens e o uso de robôs não identificados para postar comentários em redes sociais. Sem que fique claro para plataformas e usuários como isso será feito. O projeto fala em “entidade de autorregulação” destes serviços…

Algo tão eficiente quanto querer parar um carro segurando o ponteiro do velocímetro – mas, sabemos, que a questão principal está em outra cena: o escopo é mapear, monitorar e censurar a mídia alternativa e, por conseguinte, inviabilizar qualquer possibilidade de discurso de oposição – voltaremos a esse ponto adiante.

Felipe Neto é mais um produto midiático, dessa vez de um novo monopólio (redes sociais se tornaram a fonte de informação mais barata para o brasileiro), que se torna pivô do cenário político.  Com mais de 35 milhões de seguidores, depois de em 2016 ter dito que “a Dilma escarrou na sociedade brasileira” (clique aqui) e engrossar a lama psíquica do Brasil Profundo que agora bate à porta da sua casa, põe em ação uma estratégia mercadológica de reposicionamento de discurso.

Fez mea  culpa admitindo que 2016 foi um “golpe político” e na GloboNews passou uma sabão na própria emissora por ter convidado o negacionista Osmar Terra para um debate. Admitamos: um reposicionamento confortável – a não ser o núcleo duro alt-right, quem consegue ser a favor de Bolsonaro? 

Esperto, Felipe Neto utiliza a velha tática do kit semiótico de manipulação: a tática do Sim!: quando o emissor elenca uma série de questões que necessariamente resultarão em resposta positiva do público, compondo slogans ou temas de fácil adesão. Quem pode ser contra a Ciência? Quem pode ser a favor do negacionismo? Quem pode ser a favor do discurso estrategicamente caótico de Bolsonaro?

É o modus operandi do youtuber como declarou em entrevista a Danilo Gentille no “The Noite” do SBT, em 2016. “Você não tem medo de que o Felipe Neto do futuro veja o que você está fazendo agora?, perguntou o apresentador. “Eu vou viver o presente… faço hoje o que eu acho certo… se eu mudar depois eu falo que eu era um babaca…”, afirmou dando de ombros.

“Carteiradas”

Em meio ao convite de Rodrigo Maia para debater no Congresso e o tema das Fake News voltarem repentina e tardiamente à pauta da grande mídia (tema mantido em silêncio durante dois anos depois do verdadeiro estrago que provocaram nas eleições presidenciais de 2018), a entrevista à GloboNews no domingo último foi uma levantada de bola para o youtuber dar a cortada na rede: um peça de propaganda para justificar o seu expertise como assessor ao maroto Projeto de Lei aprovado no Senado.

Durante a entrevista, o influenciador digital deu quatro “carteiradas” para dizer o quanto é íntimo dos bastidores digitais: “em uma reunião que tivem com executivos do Facebook e Instagram…”, repetia aqui e ali o articulado youtuber.

Porém, o mais interessante é o segredo de polichinelo que Felipe Neto revelou para as atônitas entrevistadoras – Natuza Nery era a mais aturdida ao descobrir que disparos de mensagens e robôs já estavam superados pelas ferramentas digitais mais modernas.

>>>>>Continue lendo no Cinegnose>>>>>>>

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum

Wilson Ferreira
Wilson Ferreirahttps://revistaforum.com.br/cinegnose
Mestre em Comunição Contemporânea (Análises em Imagem e Som). Jornalista e professor na Universidade Anhembi Morumbi nas áreas de Estudos da Semiótica e Linguagem Audiovisual. Pesquisador e escritor, co-autor do "Dicionário de Comunicação" pela editora Paulus, organizado pelo Prof. Dr. Ciro Marcondes Filho e autor dos livros "O Caos Semiótico" e "Cinegnose – a recorrência de elementos gnósticos na produção cinematográfica" pela Editora Livrus.