Bolsonaro absolve o PT

Ao comentar o assunto, o presidente afirmou que a corrupção de terceiros, mesmo que próximos do governo, não podem ser atribuídas ao governo

Nesta quinta-feira (15), Bolsonaro (com um semblante constrangido) tentou se justificar sobre o caso envolvendo o ex-vice-líder do seu governo no senado e empregador do primo de seu filho, Carlos Bolsonaro.

Sim, estou falando do caso envolvendo Chico Rodrigues. Ao comentar o assunto, o presidente afirmou que a corrupção de terceiros, mesmo que próximos do governo, não podem ser atribuídas ao governo.

Também afirmou que a Polícia Federal ter feito a operação era sinal da ética em seu governo.

Bem, vamos lá: Nunca ficou comprovado o envolvimento direto de Dilma em casos de corrupção, assim como no caso do ex-presidente Lula com Sergio Moro, onde o segundo é constantemente alvo de piadas e zombarias pelas suas condenações sem provas. Até mesmo tentar prendê-lo por um crucifixo que sempre foi seu, tentaram.

Oras, se essa é a questão: o que dizer dos governos petistas e em específico o governo Dilma, que enterrou a PEC 37, sancionou a lei das delações premiadas e Lula que sancionou a lei da ficha limpa?

Lembrando que foi no governo Dilma que a delinquente lava jato surgiu. Coisas que tornaram o ambiente político no país insustentável e nos carregaram para o estado deprimente em que chegamos.

Se compararmos os pontos, veremos que o presidente deve se solidarizar com as injustiças cometidas com o Partido dos Trabalhadores ou que ao menos teme ter o mesmo destino de Dilma.

Avatar de Cleber Lourenço

Cleber Lourenço

Não acho que o debate politico e o jornalismo precisem distribuir informação de forma fria e distante dos leitores, notícias são somente úteis no contexto do cotidiano e é nisso que acredito.

E-mail: [email protected]

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR