o colunista

por Cleber Lourenço

Fórum Educação
01 de abril de 2020, 21h44

Bolsonaro não recuou, apenas deixou seu discurso mais “agradável”

Leia na coluna de Cleber Lourenço: Bolsonaro não irá reconhecer que esteve errado e equivocado, apenas está encontrando formas mais agradáveis de impelir a sua deturpada visão de mundo aos brasileiros

Reprodução

Muitos jornalistas e analistas políticos (me incluo nessa lista) se enganaram ao afirmarem que o pronunciamento de ontem marcava um retrocesso do presidente em relação à sua perspectiva com a crise do coronavírus.

Talvez parte disso venha do desespero de um país que busca responsabilidade de um presidente inconsequente. Não importa. Errados.

Bolsonaro, durante o seu discurso, não mudou muito o teor do que já anda dizendo. A mentira que falou sobre a Organização Mundial da Saúde e seu diretor Tedros Adhanom de manhã foi a mesma que ele disse de noite. A sandice sobre a cloroquina se manteve quase que intacta, com apenas alguns retoques e, de forma mais sutil, continuou pregando contra o isolamento, medida adotada por todos os países desenvolvidos e que combatem de forma séria a pandemia.

Na manhã seguinte ao “moderado” pronunciamento, Bolsonaro não perdeu tempo em espalhar terror e pânico na população novamente com uma notícia de que o Ceasa de Belo Horizonte estaria desabastecido, dando a entender que seria questão de tempo para que o desabastecimento tomasse conta do país. Mentiu! Mentiu e ainda tentou levar pânico e desespero para a população.

Logo, é fácil presumir que Bolsonaro não desistiu da sua retórica beligerante. O que ele está tentando fazer é vender seus impropérios como se fossem meias verdades. Ele viu que o tom amalucado não ajudou, o que deveria agitar seus extremistas de bolso apenas causando repulsa e vergonha perante a sociedade.

Logo, Bolsonaro não retrocedeu, ele avançou.

Com isso ele tenta angariar algum prestígio ou se salvar do isolamento. Não só os militares, como também os ministros Moro (Justiça) e Guedes (Economia), decidiram apoiar Mandetta (Saúde). Além do desdém que cultivou de quase todos os governadores e prefeitos do país.

Bolsonaro não irá reconhecer que esteve errado e equivocado, apenas está encontrando formas mais agradáveis de impelir a sua deturpada visão de mundo aos brasileiros. Não fique surpreso se este final de semana ele for flagrado em outro passeio pelo Distrito Federal e causando mais aglomerações.

No interior paulista o discurso já surtiu efeito. Nesta manhã, centenas de comércios e cidadãos voltaram para as ruas e abriram as portas.

Enquanto Bolsonaro ainda tenta passar a perna no seu próprio ministro da Saúde, segundo a jornalista Andréia Sadi, médicos avisaram Mandetta do convite para reunião na presidência, e o ministro se surpreendeu: “Não fui chamado”. Tudo para tentar mais uma vez promover o uso da cloroquina no combate à doença.

Infelizmente o presidente do país segue trabalhando contra o próprio ministro e contra o próprio país.

O que Bolsonaro quis dizer em seu pronunciamento é que insistirá no erro e que permanecerá flertando com a calamidade, tudo isso porque é incapaz de distinguir o que é real e factível do que é fictício e até mesmo perverso.

Os brasileiros precisam sobreviver não só ao coronavírus, mas também ao seu próprio presidente.

E mais uma vez eu pergunto: até quando os militares que tanto dizem prezar pela ordem social do país serão patrocinadores da convulsão e do caos que se aproxima por conta das atitudes do presidente?

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum