o colunista

por Cleber Lourenço

O que o brasileiro pensa?
23 de julho de 2020, 22h36

Bolsonaro, o candidato antipolítica domado pela política

Leia na coluna de Cleber Lourenço: "Agora que o presidente da antipolítica foi domado pela política, quem será o patrono do discurso? Oras! Voltará para a sua 'mãe', a Lava Jato!"

Foto: Clauber Cleber Caetano/PR

Bolsonaro venceu as eleições de 2018 com um discurso cunhado ainda em 2013 por Deltan Dallagnol em sua estridente luta contra a PEC 37 e pelas 10 medidas (draconianas) contra a corrupção.

O discurso? De que a política como um todo é ruim, de que todo político é do mal. A consequência disso nós já sabemos. Um distanciamento ainda maior da população com a política e um desejo irrefreável por mudanças sem saber muito bem para onde ir.

E como um trem desgovernado, não deu em outra, chegamos em 2020 com um presidente irascível e que apela para curandeirismos no combate a uma pandemia que em breve poderá vitimar mais de 100 mil brasileiros. O resultado não poderia ser pior.

Bolsonaro até que flertou e/ou tentou esgarçar a democracia brasileira, mas deu de cara com três “problemas”: o tamanho das nossas instituições, o tamanho da política e a ganância das Forças Armadas.

Acontece que o presidente da antipolítica foi domado pela política. E não apenas isso, Bolsonaro sempre teve um governo frágil e debilitado, tanto é que as maiores dificuldades que o governo federal passou foram geradas pelo próprio governo federal, nunca pela oposição.

E se não bastasse isso, o “faz tudo” da família presidencial foi preso e é investigado em um esquema de corrupção que ocorria no gabinete do filho do presidente quando ele ainda era deputado estadual pelo Rio De Janeiro.

E foi quando Bolsonaro se viu obrigado a apoiar-se no centrão. Seus alucinados e radicais já não bastavam para sustentar o governo, tampouco o gabinete do ódio que está à beira da extinção, alvo de investigações no STF e na PGR.

Vide como se comportou na pseudocrise entre o ministro Gilmar Mendes e os militares, evitou as bravatas, evitou acintes e dedos em riste. Cordialmente, ligou para Gilmar Mendes e fez o intermédio entre o ministro e os fardados. Agiu como manda o molde institucional do cargo.

Hoje, o presidente vive no purgatório político, forte o suficiente para não sofrer um impeachment e fraco o suficiente para não conseguir fazer o que bem entender da política. Viveremos até 2022 com um governo meia-boca, fazendo o mínimo para sobreviver, mas nunca o suficiente para atender as necessidades de milhões de brasileiros.

Com o panorama que temos hoje, é difícil acreditar que em algum momento Bolsonaro terá seu mandato encurtado e já passou da hora da esquerda entender isso e parar de recorrer à feitiçarias para interpretar de forma favorável os resultados de pesquisa de opinião.

Todas as pesquisas colocam a reprovação ao presidente orbitando entre os 30% e 40%. E a aprovação, também, nada muito extraordinária. E a tendência é que a aprovação aumente conforme Bolsonaro se aproxime da política, seja ela do centrão ou não.

A radical Bia Kicis (PSL-DF) foi despachada da vice-liderança do governo na Câmara para dar lugar, provavelmente, ao deputado do centrão Ricardo Barros (PP-PR). Além disso, as pressões para que Pazzuelo vá para reserva ou para que o presidente coloque um político do centrão no Ministério da Saúde só aumentam.

Bolsonaro se tornará um verdadeiro democrata? Claro que não, ele ainda precisa de suas maluquices e cloroquina para agitar a claque que lhe apoia. Mas ele entendeu sua pequenez frente a política.

Não me surpreenderia se, em breve, assistirmos uma cisão no gabinete do ódio, outro grupo que o presidente aos poucos vai abandonando como se fosse peso morto.

E agora que o presidente da antipolítica foi domado pela política, quem será o patrono do discurso? Oras! Voltará para a sua “mãe”, a Lava Jato!

Vejam os noticiários, vejam as manchetes. Deltan, o parceirinho, e Moro, já retomaram o discurso malicioso contra a corrupção como se fossem verdadeiros obeliscos da moralidade.

Em 2022, Moro desempenhará o papel que Bolsonaro desempenhou em 2018: o outsider, o homem da antipolítica, o homem que está contra tudo isso que está aí.

Quem me acompanha não se surpreende. Moro trabalha ativamente para ser o novo líder da extrema-direita do Brasil e busca desbancar Bolsonaro deste posto.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum