Arthur Picoli, do BBB, posta jingle de Lula: “Chama que ele vem”

Arthur, que participou do BBB21, não esconde sua simpatia por Lula; Gleisi Hoffmann, presidenta do PT, compartilhou a publicação

Arthur Picoli, que ganhou fama ao participar da última edição do reality show Big Brother Brasil (BBB), demonstrou mais uma vez sua simpatia pelo PT e pelo ex-presidente Lula. Ao ser perguntado por um seguidor do Instagram se prefere o petista ou Jair Bolsonaro, nesta quarta-feira (24), o instrutor de crossfit respondeu com música.

“É um assunto que eu falava abertamente quando eu saí da casa, mas eu dei um tempo”, disse em vídeo, antes de começar a tocar ao fundo o jingle utilizado pela campanha de Lula, em 2018 até sua candidatura ser barrada pela Justiça. “Chama que ele vem”, disse Arthur enquanto a música tocava.

A deputada federal e presidenta do PT, Gleisi Hoffmann, gostou e compartilhou a publicação do ex-BBB nesta quinta-feira (250. “Mandou bem demais, Arthur. Estamos firmes com Lula”, escreveu a parlamentar.

Assista

Convite para se filiar ao PT

Arthur Picoli mostra sua simpatia pelo PT desde quando ainda estava confinado na casa do BBB. Em abril, durante conversa na casa com Gil do Vigor, Arthur disparou: “Se você virar político seu número vai ser o 13”. Gil respondeu: “No mínimo, né?”. O instrutor de crossfit, então, continuou: “Aí eu voto em você. Se não, não voto, não”.

A cena ganhou forte repercussão nas redes sociais, a ponto do perfil oficial do PT convidar os dois participantes do reality show a se filiarem à legenda. “Estaremos esperando @gilnogueiraofc e @arthurpicoli“, escreveu a sigla junto a um link de uma ficha de filiação.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR