Silvio Santos diz que retomou ao vivo com aval de Doria e Faustão está na “rua da amargura”

Longe dos palcos desde o início da pandemia, Silvio Santos retomou seu programa ao vivo neste domingo. "Doria permitiu que se fizesse o programa com 80 pessoas no palco. Foi muito difícil para a produção do programa conseguir as 80 pessoas porque nem 20 queriam vir"

Longe do palco desde o início da pandemia, Silvio Santos retomou seu programa ao vivo na noite deste domingo (1º) dizendo que foi autorizado pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), desde que incluísse práticas de distanciamento social no auditório.

Leia também: SBT, de Sílvio Santos, divulga trecho da Bíblia: “Não critique o governo mesmo em pensamento”

“O João Doria permitiu que se fizesse o programa com 80 pessoas no palco. Foi muito difícil para a produção do programa conseguir as 80 pessoas porque nem 20 queriam vir (risos). Ainda bem que vieram as 80 (risos). Foi até difícil arranjar 20”, disse.

Na atração ao vivo, o dono do SBT ainda ironizou a troca feita pelo apresentador Fausto Silva, que deixou o comando das tardes de domingo na Globo, pela Bandeirantes.

Silvio Santos disse que Faustão “já perdeu o emprego e está na rua da amargura”.

“O Faustão vai pra Bandeirantes? Vai fazer o que na Bandeirantes? Vai mesmo? Coitado. A Bandeirantes é uma boa empresa, mas o Faustão lá? Duvido. Porque deve ter uma porção de gente lá que faz igual ao Faustão”, emendou.

Silvio Santos ainda disse ainda que a filha, Patrícia Abravanel, está rezando para que a apresentadora do SBT, Eliana, suceda Luciano Huck, que ocupará o horário deixado por Faustão, aos sábados na Globo.

“Todas orações da minha filha são para que a Eliana vá pra Globo e a Patrícia, né, fique no lugar da Eliana. Meu Deus do céu”.

Publicidade
Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR