escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
18 de março de 2015, 17h18

Bem-vindo ao século XXI: dia 9 de Maio começa oficialmente a nova Guerra Fria

por Antônio Ribeiro Ferreira, no Jornal i, de Lisboa

 

Putin convidou os líderes da China, Irã, Egito, Coréia do Norte, Venezuela, Turquia e Grécia para assistirem ao 70.º aniversário do fim da II Guerra Mundial. O Ocidente fica de fora, com a OTAN dividida

O divórcio oficial entre a Rússia e os seus aliados, por um lado, e o bloco ocidental, por outro, vai acontecer em Moscovo, no dia 9 de Maio. As comemorações do 70.º aniversário do fim da II Guerra Mundial marcarão o princípio de uma nova ordem mundial. Ao lado de Putin estarão o presidente da China, Xi Jinping; do Irão, Ali Khamenei; do Egipto, marechal Sisi; da Coreia do Norte, Kim Jong-un; da Venezuela, Nicolás Maduro; da Turquia, Erdogan; e da Grécia, Tsipras, entre outros líderes de países, como a Bielorrússia, que sempre estiveram ao lado de Moscovo nos bons e maus momentos.

Obama, Merkel, Hollande, Cameron e tantos outros vão ficar de fora, com a OTAN a ver dois dos seus membros ao lado de Putin. A Guerra Fria do século XXI vai, assim, começar oficialmente, muito embora as relações entre o Leste e Oeste nunca tenham sido felizes e muito menos amistosas.

— As humilhações russas —

Basicamente, a paz durou pouco tempo e só existiu verdadeiramente na última década do século XX, com a Rússia de gatas depois do fim da Guerra Fria e da queda do império soviético e da Cortina de Ferro. Com Boris Ieltsin ao leme, Moscovo viveu tempos difíceis e teve de sofrer várias humilhações de um Ocidente arrogante com a vitória alcançada. A mais grave aconteceu em 1999, quando a OTAN, leia-se os Estados Unidos, declarou guerra à Sérvia por causa da ocupação do Kosovo. Belgrado era então o único aliado de Moscovo nos Balcãs e umas semanas de bombardeamentos chegaram para pôr fim ao regime pró-Rússia de Milosevic. A Rússia engoliu a humilhação e Boris Ieltsin passou os comandos do Kremlin ao desconhecido Vladimir Putin.

Iludidos com o novo líder, os vencedores ocidentais voltaram ao ataque e levaram a Geórgia a tentar recuperar a Ossétia do Sul e a Abecásia. O conflito começou em Agosto de 2008, quando tropas da Geórgia avançaram, decididas, para a Abecásia. Tudo acabou em Outubro. Putin, já líder incontestado da Rússia, enviou as suas tropas e obrigou os georgianos a recuar de forma desordenada. Só então o Ocidente percebeu que tudo era diferente e que a velha Rússia estava de volta.

— Ofensiva da OTAN —

Mas antes da ofensiva da Geórgia, a OTAN e os Estados Unidos avançaram decididos para leste e integraram em 2004, na Aliança Atlântica, os três países bálticos – Estónia, Letónia e Lituânia – e a Polónia. A Rússia ficava com quatro países integrantes do velho inimigo junto à sua fronteira.

Ucrânia, o espaço vital Agora, em 2014, 14 anos depois da chegada de Putin ao poder, nova ofensiva ocidental, desta vez na sensível Ucrânia, velha relíquia da Rússia dos czares e da União Soviética, que só conheceu a independência em 1991. Evidentemente que a Ucrânia sempre foi uma região disputada por russos e alemães. Hitler definiu-a como o espaço vital alemão e Stalin via-a exatamente da mesma maneira.

Em 2014 surgiu a oportunidade, há muito esperada pelo Ocidente, para pôr o pé na Ucrânia. E foi assim que, a reboque da Alemanha de Merkel, a União Europeia tentou o presidente pró-russo Yanukovitch a assinar um acordo de parceria muito aplaudido pelos ucranianos do Oeste. Putin chamou Yanukovitch a Moscovo e obrigou-o a assinar uma parceria com a Rússia.

Os protestos na Praça Maidan, em Kiev, subiram de tom, alimentados por forças nacionalistas e fascistas. O massacre de dezenas de manifestantes em Fevereiro, crime que ainda hoje não está esclarecido, fez cair Yanukovitch.

Na madrugada de 23 de Fevereiro, Putin tomou duas decisões: salvar o seu aliado ucraniano e trazer a Crimeia de volta à Rússia. E decidiu também criar uma zona de segurança junto à fronteira com a Ucrânia, que sonha agora integrar a OTAN. Com a Crimeia anexada e as regiões de Donetsk e Lugansk controladas, Putin garante o acesso ao mar Negro e ao oceano Atlântico e protege a sua fronteira dos avanços da OTAN.

A aliança com a China A posição russa face ao Ocidente é, nesta fase do conflito, defensiva. Moscovo quer uma nova ordem na Europa, com novos acordos sobre segurança e armas convencionais, e responde à ofensiva ocidental com alianças estratégicas que podem alterar rapidamente as relações de força no mundo. A mais importante é com Pequim. Não é apenas uma parceria energética; é uma aliança militar e política em que os dois países estão juntos em todos os teatros internacionais. Mas se Moscovo se voltou para a Ásia, também não esqueceu o Médio Oriente. Além do Irão e da Síria, a Rússia voltou a ter no Cairo um amigo.

O mundo está a mudar. E a Guerra Fria está de volta.

(observação: este escrevinhador, realizou pequenas adaptações, trocando a grafia de NATO para OTAN, e de Estaline para Stalin – aclimatando o texto ao leitor brasileiro, que ainda assim notará o simpático fraseado lusitano no post).


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum