escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
03 de junho de 2011, 11h11

Brasil x Holanda: o fantasma que não foi exorcizado

As vésperas de completar um ano da eliminação da Copa do Mundo da África do Sul a seleção volta a enfrentar a Holanda em clima de revanche, mas muitos ainda tentam entender melhor aquele segundo tempo... E é sobre esse jogo fatídico, principalmente sobre um pequeno detalhe acontecido aos 23 minutos do segundo tempo e ignorado pela mídia esportiva, que passo a comentar de forma mais detalhada a partir de agora.

Por Adilson Filho
As vésperas de completar um ano da eliminação da Copa do Mundo da África do Sul a seleção volta  a enfrentar a Holanda em clima de revanche, mas muitos ainda tentam entender melhor aquele segundo tempo…

O Brasil chegou na Copa do Mundo de 2010 como favorito e ostentando uma marca impressionante que há muito não se via:  Campeão da Copa América, campeão da Copa das Confederações e  primeiro lugar nas Eliminatórias, classificando-se antecipadamente com duas rodadas de antecedência. Durante os quatro anos de preparação, nossa seleção não tomou conhecimento  de adversários tradicionais como Itália, Inglaterra, e Portugal – aplicando neste uma goleada histórica de seis gols –  e de quebra ganhava sempre com sobras de seu maior rival, a Argentina, sendo a última vitória  acachapante e na casa dos nossos vizinhos.

A seleção brasileira, sob o comando de Dunga e Jorginho, superou o trauma e a ausência de craques pós-2006 –  talvez a maior entressafra que o futebol brasileiro já enfrentou – e se tornou uma equipe forte, regular,  segura na defesa, que atacava e defendia em bloco, valorizava a posse de bola e fazia sempre muitos gols. Ainda por cima, como mencionado, ganhou tudo que disputou e  sacudiu (como se diz na gíria do futebol) todos os rivais de peso que enfrentou.

Durante a competição, uma das mais niveladas dos últimos tempos, a seleção de Dunga encontrou dificuldades, assim como todas as outras, mas conseguiu impor seu jogo, mostrando a unidade e a consistência do trabalho  realizado durante quatro anos.

Até que vem as quartas de final, contra a Holanda. E é sobre esse jogo fatídico, principalmente sobre um pequeno detalhe acontecido aos 23 minutos do segundo tempo e ignorado pela mídia esportiva, que passo a comentar de forma mais detalhada a partir de agora.

Brasil x Holanda
Começa  a partida e a seleção, de cara já vai impondo seu jogo. O time joga exatamente no estilo que melhor sabia jogar: marcando atrás da linha da bola, implacável na ocupação dos espaços e saindo rápido no contra-ataque.  A Holanda não encontrava espaço e quase não via a cor da bola, como acontecia com a maioria dos adversários que enfrentavam a seleção brasileira.

Num passe primoroso de Felipe Melo – o maior passador da seleção na Copa – a bola sai “da chapa precisa” atravessa metade do campo e vai achar Robinho lá na grande área, que bem ao seu estilo, apenas dá um “tapa” pra empurrar pro fundo da rede.

Um a zero Brasil. O time ía pra cima, jogava bem, e na certeza de que tinha “caixa pra mais” ameaçava uma Holanda absolutamente perdida em campo. O jogo segue, Robinho faz boa jogada pela esquerda, limpa dois e deixa para Luis Fabiano, que toca de letra  para Kaká, e esse bate da entrada da área pra belíssima defesa, de mão trocada, do goleiro holandês. Linda jogada, quase um golaço!

Em seguida, Daniel Alves faz jogada pela direita e Juan toca por cima da trave. A seleção ameaça de novo, logo depois, em mais um bonito lance: Kaká inverte o jogo da esquerda, Daniel Alves amacia no meio e toca pra Maicon que vinha avançando pela lateral , solta a “bomba” de fora e obriga o goleiro deles a nova defesa por baixo… O Brasil, como era de sua característica, sufocava o adversário atacando por todos os lados, com jogadas bem tramadas.

Há ainda um pênalti em Kaká não marcado, mas tudo bem, embora acredite que o árbitro tenha errado, são coisas do jogo e o japonês apitava bem – minutos antes havia anulado corretamente um  gol de Robinho em jogada de difícil interpretação.

O juiz apita, termina o primeiro tempo e com ele a história de sucesso desse grupo vencedor, que com certeza poderia ter ido mais longe, mas que viria a se perder num momento inusitado, frustrando as expectativas daqueles que, como eu, entendiam as circunstâncias em que fora formado , e que confiavam e torciam por sua vitória.

Vinte e três minutos do segundo tempo
É importante ressaltar que a seleção brasileira que entrará em campo para disputar a etapa complementar do jogo, protagonizará lances que jamais foram vistos ou sequer imaginados que pudessem acontecer, durante os quatro anos que antecederam a competição. Lances capitais que não fizeram parte de sua trajetória e por isso difíceis de serem previstos, mesmo se tratando de uma Copa do Mundo.

Guardadas as devidas proporções e preferências estilísticas (não é isso que está sendo analisado), o que aconteceu em 2010 acabou sendo uma surpresa ainda maior do que aconteceu no Sarriá em 1982, onde os erros de posicionamento da defesa pelo lado esquerdo desde a estréia contra a URSS , a mania de Valdir Perez de se manter em cima da linha da pequena área, e a desconfiança em cima de Serginho Chulapa, ajudaram a escrever a crônica de uma possível derrota anunciada.

Voltando a 2010, a vaca começou a dar o primeiro passo na direção do brejo quando numa bola alçada na área por Sneijder, Julio César (o melhor goleiro do mundo) sai mal e, atabalhoadamente, esbarra em Felipe Melo, que limpo no lance iria tranquilamente tirar a jogada dali de cabeça. Gol da Holanda, num lance inexplicável.

O outro lance capital, que é, ao meu ver,  a maior “entrega” de um craque brasileiro numa edição de Copa do Mundo, foi protagonizado por um jogador que, assim como o colega goleiro, pertencia aquela que era considerada a melhor defesa do mundo.

Sobre esse lance, que  não se ouviu nem se escreveu uma linha na mídia esportiva –  pois infelizmente seus principais analistas na época pareciam estar muito ocupados em  demonizar pessoas e desafetos –  eu vou tentar  compartilhar em detalhes agora.

Aos vinte e três minutos do segundo tempo, a bola sobra na linha de fundo do Brasil pelo lado esquerdo, Juan se antecipa e chega absoluto na jogada, com Robben atrás dele. Juan tinha pelo menos 1, 5 metro de campo até o fundo, mas mesmo virado para lateral (!), sem nenhum marcador a frente opta, inexplicavelmente,  por ceder o escanteio para o adversário.

A jogada segue, Robben bate na cabeça de Kuyt e  o atacante dá aquela raspada mortal pra cabeçada de Sneijder na pequena área. O resto já sabemos, a Holanda passa na frente pela primeira vez na partida e o Brasil não conseguiria mais reverter.

Momento decisivo
Senhores, esse foi o lance de bola que selou o destino do Brasil na Copa da África do Sul. O péssimo segundo tempo da seleção, o descontrole de Felipe Melo com os provocadores holandeses, a reconhecida inoperância total de Robinho  na hora “h” e a saída inacreditável de Julio Cesar sem dúvida contribuíram para a derrota, mas nenhum lance foi tão direto e decisivo quanto o escanteio cedido, “generosamente” pelo nosso zagueiro a equipe adversária.

Num  jogo de futebol, e aí os que jogam sabem que pode ser uma pelada no Aterro ou uma final de Copa no Maraca, o objetivo primeiro é fazer gol, o segundo é não tomar e para isso deve-se  manter o tempo todo a bola o mais longe possível de sua meta e o mais perto possível da meta adversária –  dando passes laterais sempre mais avançados, evitando faltas na entrada da sua área, “prendendo bola” no ataque no final do jogo, e optando sempre pelo lateral no lugar do escanteio. Isso é o básico da bola. Ora, quando uma bola é disputada na linha da fundo do seu time, um dos lances que mais vemos numa partida é o jogador se esticar todo, se jogar no chão, derrapaaaaaaaar pra jogar a bola pra lateral. Escanteio, nunca!

Nesse sentido, não tenho dúvidas em afirmar que, do ponto de vista de sua fatalidade,  o escanteio cedido por Juan, é uma das jogadas mais estranhamente executadas por um jogador brasileiro numa partida de Copa do Mundo que tive notícia. A meia do Roberto Carlos em 2006, o pênalti esquisito do Sócrates em 86, a bola atravessada no meio campo por Cerezo em 82 e outros que me escapam agora, foram lances infelizes  mas de desatenção, de displicência, ou relaxamento. No caso do nosso zagueiro , confesso que fica difícil encontrar uma explicação razoável, dada a sua larga experiência em partidas decisivas  com a seleção brasileira.

Por que Juan, um jogador tarimbado e de altíssimo nível, deu um escanteio de “mão beijada” para o outro time quando tinha a opção de  chutar a bola pela lateral?! Eis a pergunta que não quer calar.

Ou que não quis ser perguntada?

Essa pergunta jamais foi feita para ele, e pior, o mais impressionante disso tudo é que o lance crucial não foi mencionado momento algum pela mídia esportiva na época, não foi sequer comentado como uma possível infelicidade de Juan, ou mesmo pra se colocar a culpa no Dunga como sabiam fazer muito bem. Nada. Passou batido e, pelo visto, passará em branco na história.

Quase um ano depois da eliminação brasileira e na véspera do dia onde a seleção reencontrará pela primeira vez a Holanda, esse lance traz a tona a lembrança do que foi a cobertura da mídia na Copa do Mundo da África do Sul em 2010 . Um trabalho desastroso, capitaneado pela Globo e pautado pela parcialidade extrema, com  matérias medíocres que tratavam os amantes do esporte como verdadeiros idiotas, e outras  preconceituosas contra povos e culturas . É só nos lembrarmos do  caso do Paraguai, quando, após a reportagem etnocêntrica e a manifestação de repúdio do Ministro da cultura,  o Sportv teve que emitir uma nota para dizer que o canal não tinha preconceito contra o país, ou lembrar do jornalista famoso  que ao falar da eliminação  da Itália justificou dizendo não se tratar de um  “paisinho qualquer não”.

No caso da Globo, como sabemos, foi realmente muito complicado pois a coisa conseguiu tomar proporções perigosas, chegando ao nível pessoal. O que se viu foi algo repugnante.  Lembro-me que logo após o jogo que nos eliminou , a emissora exibiu um edição trágica e de muito mal gosto, de mais ou menos cinco minutos, com os principais lances da partida, onde  o narrador falava sobre o caminho errado que Dunga traçou, e no meio eram inseridas (sem parar) imagens do treinador na famosa entrevista em que discutia no ar com o repórter Escobar. Como diria Max Weber, uma ação afetiva com sede de vingança!

Aliás a repercussão desse caso na internet foi tamanha que chegou a se criar o “Dia sem Globo” –  uma manifestação contra a farsa montada pela emissora que depois veio a tona.  A Globo precisou emitir uma nota no fantástico para dizer que torcia pra seleção. A Globo perdeu o respeito, virou a copa das notas.

Foi a  partir desse fato que ficou evidente que a política  de extinção de privilégios adotada por Dunga na seleção deixou a emissora numa situação desconfortável, um lugar onde não estava acostumada a ocupar, impondo-lhe obviamente  outros objetivos.

Fica então a pergunta: O lance capital do zagueiro Juan passou realmente desapercebido pelos jornalistas esportivos da Globo ou será que foi propositalmente deixado de lado? Foi incompetência ou a cruz que prepararam com tanto cuidado só cabia mesmo um “cristo”?

A julgar pelo programa “Bem amigos” da semana seguinte onde Ricardo Teixeira  é recebido de braços abertos e, num gesto simbólico, “devolve” a seleção para turma do Galvão , acho que resposta fica mais fácil, embora saibamos que não seria nenhum absurdo apostar nas duas hipóteses ao mesmo tempo.

Bom, a Copa do Mundo da África do Sul já virou história, Juan é um grande zagueiro, sempre correspondeu e deve ser perdoado, aliás nem é esse o caso; mas 2010 deixou claro pra quem quiser ver que alguns jornalistas do ramo deveriam se preparar melhor para a atividade que escolheram exercer  e outros, além disso, se envergonhar da campanha raivosa que – por motivos não esportivos – fizeram contra um profissional correto, ídolo nacional  e sua equipe que honrou a camisa amarelinha durante os quatro anos e meio que a vestiu.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum