escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
23 de abril de 2015, 09h50

Caminhoneiros fazem chantagem com pauta fantasiosa depois de serem atendidos pelo governo

Enquanto os canhões se voltarem contra o governo ninguém lançará luzes sobre os verdadeiros responsáveis pela crise no setor, como atravessadores, empresários do transporte e embarcadores que terceirizam fretes por valores indecentes.

Por Marcelo Fragoso

Os caminhoneiros estão muito longe de ser uma categoria homogênea. Entre caminhoneiros assalariados, autônomos e empresários do transporte há uma infinidade de diferenças e até antagonismos. O mais clássico deles o capital/trabalho.

Os caminhoneiros autônomos, patrocinados em vários casos por embarcadores, empresários do transporte e até por prefeitos e deputados da oposição capitanearam as paralisações de fevereiro último.

Estas foram encerradas diante de um acordo firmado em 25 de fevereiro com o governo para o atendimento de três pontos considerados primordiais: 1. Sanção integral, sem vetos, da chamada lei dos caminhoneiros (Lei 13.103/2015); 2. Carência de um ano para os financiamentos de caminhões junto ao BNDES para autônomos e microempresas e; 3. Elaboração de uma tabela referencial de custos do frete com a participação de caminhoneiros, transportadoras e embarcadores.

Passados menos de 60 dias as medidas do governo necessárias ao seu atendimento não só foram integralmente adotadas como várias outras foram incorporadas e atendidas no processo negocial.

A lei foi sancionada em 03/03, passou a valer no último dia 17 de abril e todo os seus regulamentos ou já foram publicados ou estão sendo publicados nos prazos estabelecidos na própria lei. O texto desses regulamentos foi discutido em grupo criado especificamente para este fim, com a participação dos caminhoneiros.

Para a carência dos financiamentos é preciso lei, que já foi aprovada na Câmara e deve ser também aprovada, nos próximos dias, no Senado.

Para a tabela referencial, foi construído um outro grupo com a participação dos diversos segmentos do setor que, mediado pelo governo, chegou a um bom termo sobre uma tabela de referência apresentada no último dia 26 de março.

De lá pra cá, para surpresa geral, a pauta além de mudar involuiu para o campo das impossibilidades e fantasias. Infelizmente, não dá nem pra dizer que radicalizou.

A tabela agora tem que ser impositiva, ou seja, o governo tem que impor os custos de frete a quem quer que seja, algo possivelmente sem precedentes positivos ou efetivos na história econômica nacional.

Os exemplos que temos hoje, e nossa Constituição permite, são todos de parâmetros públicos eficientes para estabelecer referências de mercado e/ou orientar as compras e créditos públicos (exemplo: produtos agrícolas). Nesse sentido caminha a proposta de uma tabela referencial, um instrumento para governo e caminhoneiros atuarem na regulação do mercado em busca de condições justas.

Enquanto os canhões se voltarem contra o governo ninguém lançará luzes sobre os verdadeiros responsáveis pela crise no setor, a saber: atravessadores, empresários do transporte e embarcadores que terceirizam (olha ela aqui!!!) fretes por valores indecentes.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum