escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
18 de janeiro de 2011, 09h39

Empresários brasileiros fizeram lobby no Haiti

por Natalia Viana: Um documento publicado hoje pelo WikiLeaks revela que empresários brasileiros pressionaram o governo americano para entrar na iniciativa Hope II. A empresa Coteminas, do ex-vice-presidente José Alencar, liderou o pedido. A Hope II é a continuação da Lei Hope, que criou “zonas francas” para a produção de têxteis, chapéus e pijamas no Haiti.

Empresários brasileiros fizeram lobby por “zona franca” no Haiti

por Natalia Viana, no blog CartaCapital Wikileaks

Um documento publicado hoje pelo WikiLeaks revela que empresários brasileiros pressionaram o governo americano para entrar na iniciativa Hope II.

A empresa Coteminas, do ex-vice-presidente José Alencar, liderou o pedido.

A Hope II é a continuação da Lei Hope, ou Oportunidade Hemisférica Haitiana (Opportunity through Partnership Encouragement), aprovada em 2007 pelo governo dos Estados Unidos.

A lei criou “zonas francas” para a produção de têxteis, chapéus e pijamas no Haiti.

Os bens podem ser exportados aos EUA livres de impostos.

O pedido para a inclusão de empresas brasileiras foi feito por Josué Gomes da Silva, presidente da Coteminas, dona da marca Santista, ao ex-embaixador americano Clifford Sobel, em 29 de junho de 2009

Josué Gomes, filho de José Alencar, é coordenador do Fórum de CEOs Brasil-Estados Unidos, uma  iniciativa dos ex-presidentes Bush e Lula para estimular o fluxo comercial entre os dois países através de parceria com os governos. CEOs de diversas empresas e representantes governamentais participam do fórum.

“Gomes da Silva pediu urgência no progresso no requerimento do governo americano para participação brasileira no Hope II como uma maneira de impulsionar o desenvolvimento no Haiti”, descreveu Sobel em um telegrama, afirmando que levaria o pedido ao governo americano.

Em 17 de setembro de 2009, o Brasil ratificou com os Estados Unidos um plano para o estabelecimento de fábricas brasileiras no Haiti, sob os termos da lei Hope.

A iniciativa permite a exportação dos bens produzidos para os dois países – sem pagar impostos.

ONGs haitianas denunciam que as empresas estrangeiras que fazem parte do Hope lucram em dobro, pois o preço da mão-de-obra no Haiti já é bem inferior aos demais países.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum