escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
05 de abril de 2011, 10h32

A aprovação do governo Dilma e o medo da inflação

Por Ricardo Kotscho: Vem em boa hora a pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta sexta-feira em que a presidente Dilma Roussef é aprovada por 73% dos brasileiros, após os primeiros três meses de seu governo. É um bom indicador de que o país continua seguindo no rumo certo, segundo a maioria da população: o índice de confiança no governo Dilma neste começo de abril chega a 74%.

Ibope de Dilma e o mêdo da inflação
por Ricardo Kotscho, no blog Balaio do Kotscho

Vem em boa hora a pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta sexta-feira em que a presidente Dilma Roussef é aprovada por 73% dos brasileiros, após os primeiros três meses de seu governo.

É um bom indicador de que o país continua seguindo no rumo certo, segundo a maioria da população: o índice de confiança no governo Dilma neste começo de abril chega a 74%.

O resultado serve para acalmar os ânimos, tanto de aliados do governo indóceis com as nomeações para o segundo escalão, como a da oposição parlamentar e midiática que, na falta de outros discursos e argumentos, aposta tudo no mêdo da alta da inflação para desgastar o governo.

O problema da alta de preços existe, e é sério, mas ficar batendo tambores e dando a toda hora a palavra a “especialistas” para prever o pior, fazendo o jogo de especuladores saudosos da inflação de tempos passados, cria uma expectativa negativa que acaba se auto-realizando.

“PSDB vai explorar alta da inflação em programa de TV”, já anuncia a manchete da página A6 da Folha de hoje. O programa partidário dos tucanos só vai ao ar em maio, mas o jornal mostra que este foi o caminho encontrado pela oposição: assustar o eleitorado com o fantasma inflacionário.

Mais perdida do que cachorro em dia de mudança de barco, sem rumo e sem remo, a oposição demotucana, enquanto não dá à luz a dissidência do PSD de Kassab, aposta todas as suas fichas numa piora da situação econômica, com queda de crescimento e subida dos preços, como foi previsto esta semana pelo Banco Central.

Tudo bem, acenar com o perigo à vista é mesmo o papel da oposição, mas na reunião de governadores tucanos, marcada para este sábado, em Belo Horizonte, alguém poderia ao menos apresentar um caminho alternativo à política econômica até aqui seguida pelo governo. Qual é, afinal, a proposta da oposição para o país em 2011?

Até agora, Sergio Guerra, o atual presidente do PSDB e candidato à reeleição, só definiu a prioridade temática com base nos números do BC:

“Vou apresentar a pesquisa aos governadores, ouvir suas opiniões e organizar a comunicação do partido, que está muito errática”, anunciou o dirigente.

De fato, quando as coisas não vão bem, no governo ou na oposição, a culpa é sempre da área de comunicação, da qual se exige milagres mesmo com o produto sendo às vezes inexistente ou pouco vendável, como é o caso dos tucanos no momento.

Os números do CNI/Ibope sugerem paciência à oposição, já que continua a lua de mel dos brasileiros com sua nova presidente.

Quem mais deve ter ficado contente com este primeiro Ibope de Dilma é o ex-presidente Lula, apesar de todo o esforço feito pela valente oposição alimentada por colunistas e blogueiros para jogar criador contra criatura.

Afirmo isso sem medo de errar por um motivo muito simples: foi Lula quem lançou o nome de Dilma, convenceu o PT a apoiá-la, bancou o nome dela junto ao eleitorado e sabe muito bem que é a imagem dele e do seu governo que estarão em jogo a cada nova avaliação da presidente. Podem chamá-lo de tudo, menos de burro.

Assim como foi Lula quem ficou mais contente com a vitória de Dilma no dia das eleições, no ano passado, quando estive com os dois no Palácio da Alvorada, agora é ele quem tem todo o direito de festejar o acerto da sua escolhida.

A aprovação do governo Dilma neste início de mandato(56%) é superior até mesmo à do próprio governo Lula no mesmo período, que registrou 51% de ótimo e bom ao final de março em 2003. A continuidade de um governo para outro é apontada por Renato da Fonseca, gerente de pesquisas da CNI, como o motivo desta diferença:

“Após a eleição de Lula, antes da posse, havia um sentimento de incerteza em relação às ações que o Lula tomaria, principalmente na economia. No caso da presidente Dilma não houve surpresa, foi uma continuidade do governo anterior.”

Num ponto, porém, o dos índices de ruim e péssimo, Dilma começa da mesma forma como Lula terminou: apenas os mesmos 5% de sempre rejeitam seu governo.

Na comparação direta entre os dois governos, dá empate técnico: para 64% dos entrevistados, a gestão Dilma é igual à de Lula; 12% acham o governo Dilma melhor e, para 13%, é pior.

E os caros leitores do Balaio: que nota dão ao início do governo Dilma?


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum