escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
05 de novembro de 2014, 10h39

Manifestação pelo Plebiscito Constituinte reúne mil pessoas em São Paulo

Por Maura Silva
Da Página do MST

Mais de mil pessoas se reuniram nesta terça-feira (4), no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (MASP), na Avenida Paulista, em manifestação de apoio à convocação de uma assembleia constituinte exclusiva para a reforma política.

O ato organizado por movimentos organizações sociais também serviu como resposta às recentes investidas de setores conservadores junto aos grandes meios de comunicação de pautar de uma forma distorcida o debate em torno da reforma do sistema político.

Para Thiago Pará, militante do Levante Popular da Juventude, o ato é uma maneira de
dar sustentação e apoio a proposta que começou a ser construída em 2013 por mais de 450 organizações que compõem a campanha do Plebiscito por uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político.

“Queremos mostrar para a sociedade que existem setores que apóiam e lutam pela soberania exercida nas urnas e nas ruas. O atual congresso não admite um plebiscito, eles querem um referendo que é o que reduz a participação popular”, ressalta o militante.

Para ele, durante anos o Congresso não foi capaz de fazer transformações que alterassem de maneira significativa a vida do povo, “por isso, o que querem nos oferecer é uma contra reforma política”, conclui.

“Nosso objetivo é nos manter mobilizados mesmo após o fim da eleição. Entendemos que mobilização popular é a maneira que a população tem para cobrar da presidente Dilma e, principalmente, do Congresso Nacional, o acompanhamento das demandas dos movimentos sociais, que são as demandas do povo brasileiro”.

Para a ex-candidata à presidência da república pelo Partido Socialista e Liberdade (PSOL), Luciana Genro, que também esteve presente no ato, as carreiras governamentais devem ser encaradas como uma militância em defesa de ideias e causas. Para ela, é preciso que a política deixe de ser encarada como uma carreira de ascensão social.

“O sistema política está viciado, os parlamentares eleitos por esse sistema não tem interesse em mudá-la. Por isso, a presença do povo nas ruas é tão importante. Com a mobilização popular se muda a correlação de forças dentro do Congresso. Eu fui deputada e vi isso de perto: quando existe pressão popular, a opinião dos deputados se modifica completamente”, acredita.

Questionada sobre a polêmica criada em torno das formas de consulta popular (referendo ou plebiscito), Luciana diz não acreditar que a tática utilizada por alguns partidos políticos para confundir a população, em especial o PSDB, obtenha sucesso.

“Quando o povo recebe informações de qualidade ele sabe decidir muito bem. O problema é que os meios de comunicação no nosso país não informam, pelo contrário, só distorcem, como é o caso da revista Veja. Uma demanda pela reforma política abre um amplo processo de discussão na sociedade civil. A partir dessa demanda conseguiremos, nas ruas, informar a população de maneira clara e objetiva”, finaliza.

Apenas o início

Para Gegê, da Central dos Movimentos Populares (CMP), os interesses dos que se beneficiam do atual sistema político só será vencido com muita luta e mobilização.

“O papel dos movimentos populares é estar nas ruas. Não são as eleições que promovem as verdadeiras mudanças, essas mudanças só são feitas com o povo nas ruas. A estrutura capitalista continua montada, o nosso papel é romper com essa estrutura”, salienta.

Na Câmara, um decreto legislativo que convoca uma assembleia constituinte exclusiva para a reforma política já foi apresentado ao legislativo. Se o projeto for aprovado, os eleitores irão às urnas para dizer ‘sim’ ou ‘não’ à seguinte questão: “Você é a favor de uma Constituinte Exclusiva e Soberana do Sistema Político?”

O advogado Ricardo Gebrim, da Consulta Popular e integrante do Comitê Nacional da Campanha do Plebiscito, ressalta que esse é o início de uma série de atos que estão acontecendo em todo o país. “A campanha vai crescer muito mais a partir de agora. Nosso encontro é na rua, com o apoio da população que vamos conseguir o plebiscito oficial”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum