escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
15 de dezembro de 2010, 09h19

Novo governo começa a ser montado; a Cultura fica relegada a segundo plano

Durante a última campanha para as eleições presidenciais, os candidatos defenderam, em sua maioria, a necessidade de priorizar os temas da educação, da saúde e da segurança, considerados ainda insatisfatórios e como sendo alguns dos principais óbices ao desenvolvimento do Brasil como nação. Embora prementes, não são os únicos problemas a atacar, mas como se tratava de uma campanha eleitoral, muito justo que os candidatos elegessem as suas prioridades e nelas focassem o seu programa de governo.

por Izaías Almada

Durante a última campanha para as eleições presidenciais, os candidatos defenderam, em sua maioria, a necessidade de priorizar os temas da educação, da saúde e da segurança, considerados ainda insatisfatórios e como sendo alguns dos principais óbices ao desenvolvimento do Brasil como nação. Embora prementes, não são os únicos problemas a atacar, mas como se tratava de uma campanha eleitoral, muito justo que os candidatos elegessem as suas prioridades e nelas focassem o seu programa de governo.

A candidata Dilma Roussef não fugiu ao desenho que se esboçou durante a campanha, deixando bem claro o seu programa de governo e, nele, a sua preocupação em eliminar a miséria no Brasil, destacando a saúde e a educação como elementos fundamentais para esse objetivo. E com muita razão.

Completados os primeiros 45 dias após o resultado das eleições e chegando o ano de 2010 ao seu final, a presidente eleita – com aparente calma e determinação – vai montando a sua equipe de governo num quadro, se é possível assim dizer, bem mais tranquilo do que aquele que caracterizou a primeira eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

As pressões para a indicação de ministros, internas e externas, essas normalmente apresentadas como balões de ensaio pela velha mídia, são inúmeras. Não deve ser fácil à presidente eleita equilibrar na balança do poder os seus objetivos estratégicos de governo com os compromissos assumidos com partidos aliados e até com o seu próprio partido.

Bem posta a questão e consideradas as dificuldades naturais para a composição de um novo governo, a sucessora do presidente Lula comete, involuntariamente quero acreditar, o mesmo erro da maioria de seus antecessores, incluindo o próprio Lula. Os ministérios prioritários da Saúde e da Educação, até a altura em que escrevo esse artigo (14/12), ainda não tiveram seus ministros definidos. Além desses dois, outro ministério importantíssimo, o da Cultura, como sempre acontece, é um dos últimos a ter o seu titular definido. Uma vez mais a Cultura fica relegada a um segundo plano dentro das prioridades governamentais, o que – aliás – ocorre há anos. E não somente em nível federal, mas também em níveis estaduais e municipais.

Não quero fazer disso uma crítica a um governo que nem ainda tomou posse. Reconheço que seria uma irresponsabilidade, mas o fato em si é um acontecimento que se repete invariavelmente, pois o Brasil ainda não aprendeu a reconhecer o valor da Cultura (com C maiúsculo mesmo) como elemento mobilizador de enriquecimento e transformação de seus cidadãos. Fala-se muito a respeito, mas faz-se pouco, essa é a verdade que não quer calar. Basta ver no orçamento da União o valor da verba destinada à Cultura.

Caríssima presidente: a senhora ainda deve se lembrar com entusiasmo do revigoramento da sua campanha por ocasião dos encontros com artistas e intelectuais no Teatro Casagrande no Rio de Janeiro e no TUCA em São Paulo. Não se trata aqui de estabelecer qualquer tipo de privilégio, mas o seu governo poderá resgatar uma dívida do estado brasileiro para com muitos daqueles que têm dedicado boa parte de suas vidas a tentar fazer da cultura brasileira um símbolo de humanismo e solidariedade, uma luta de resistência contra a mercantilização de alguns valores tão caros a uma cidadania que teima, por exemplos de governos ainda recentes, em escoar pelo ralo da mediocridade e da arrogância, quando não da venda pura e simples da nossa alma ao diabo.

Eliminar a pobreza, mas não só a material. Essa, com certeza, é urgente. Contudo, a pobreza espiritual também merece cuidados. Não é por acaso e chega a ser patético que uma ex-miss Brasil, transformada em atriz de telenovelas e que agora se diz também escritora proclame no lançamento do seu primeiro de dez livros escritos em apenas um ano: “Detesto escrever para pobres”…

Ainda temos que ouvir essas barbaridades.

Izaías Almada é escritor, dramaturgo, autor – entre outros – do livro “Teatro de Arena: uma estética de resistência” (Boitempo) e “Venezuela povo e Forças Armadas” (Caros Amigos).


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum