sexta-feira, 18 set 2020
Publicidade

O jeito é Janio: Operação Barbosa tem a “Veja” como porta-voz

por Rodrigo Vianna

“Acho que já chegou a hora de sair”. O anúncio, oficioso, não poderia ter sido publicado em local mais apropriado: as páginas mal cheirosas de “Veja”.

Joaquim Barbosa não convocou uma entrevista coletiva, não lançou uma nota oficial por sua assessoria no STF. Não. Fez vazar a informação através da revista que é o núcleo duro (e obtuso) do conservadorismo no Brasil: criticado por juristas das mais variadas extrações, o homem que avacalhou as instituições jurídicas brasileiras corre da verdade para lançar-se às urnas. Sob os auspícios da Globo e da Veja, Barbosa deve deixar o STF nos próximos meses.

Desde novembro, registrei nesse blog minha avaliação: estava lançada pela direita midiática a “Operação Joaquim Barbosa“. As prisões no 15 de novembro, e antes disso a estranha viagem aos EUA (Barbosa foi visitar e conversar com quem? A candidatura dele tem quais conexões com os EUA? Por que pediu que prendessem, até, uma repórter que ousou se aproximar da universidade onde daria “palestra”?), o discurso moralista rastaquera – mas tão a gosto de certa classe média brasileira… Tudo isso era o prenúncio de uma candidatura que não parece improvisada. Está sendo construída nos dutos mal iluminados que ligam o Jardim Botânico à Marginal Pinheiros.

Depois da capa anterior da “Veja” (Civilização e Barbárie), explorando de forma canhestra a foto do jovem negro preso pelo pescoço, eu reafirmara: ali estava o programa e a pauta que embalariam Barbosa: o candidato da “ordem“, do falso moralismo.

Na última semana, Barbosa aprofundou a agenda de candidato: desfez decisões de seus pares no STF, mostrou-se como o “anti-PT” extremado. Barbosa – como a lei permite -pode sair do STF e filiar-se a um partido ali por abril ou maio. A filiação precisa ser feita (PPS, PTN, PRTB, ou qualquer outro nanico disposto à aventura?). Mas ele não precisa lançar-se candidato a presidente imediatamente. Pode esperar a Copa, avaliar se a agenda da “ordem” (que depende do “caos” nas ruas) pode se aprofundar.

Se a conjuntura (e a mão de gato de quem, desde os anos 60, quer colocar o Brasil de joelhos – como ocorre na Ucrânia, na Venezuela) ajudar, ele sai candidato a presidente. Tira votos – sim – de Aécio e de Eduardo Campos. Embola o jogo na oposição. Mas pode, no limite, tirar votos também de Dilma – entre setores mais afetos ao moralismo, na “nova classe média”.

Sem Barbosa, Aécio é candidato para 20% ou 25% dos votos. Eduardo pode chegar a 15%. A oposição precisa de outro nome para garantir segundo turno. Barbosa pode reduzir a votação de Aécio e Eduardo. Sim. Para a direita midiática, o que interessa é que ele tenha algo em torno de 15%, e que esse montante (somado a Aécio e Eduardo) leve a eleição pro segundo turno.  

Se Barbosa sair mesmo do Supremo, qualquer movimento no STF daqui até a eleição – procurando reverter as decisões atropeladas e destemperadas por ele adotadas – lançará água no moinho da candidatura aventureira.

Barbosa – se vingar a Operação capitaneada pela direita midiática – será o candidato do anti-petismo, da “ordem”, do moralismo rastaquera.

Não é à toa que essa agenda tem adotado como símbolo a vassoura verde-amarela. É o janismo reciclado. Barbosa: o jeito é Janio!

Se a pauta da “ordem” não vingar, Barbosa sai candidato ao Senado. Ganha uma tribuna para defender, no Congresso, seus malfeitos jurídicos.

Mas há um detalhe: o feiticço pode virar contra o feiticeiro… Barbosa está sendo lançado para garantir um segundo turno em que Aécio possa enfrentar Dilma. Mas quem garante que ele não atropele tucanos e demos e vire -sozinho – um salvador da pátria? Perigoso, irascível…

A “Veja” já inventou Collor. Sorrateiramente, começa a inventar um novo “salvador”. Haja estômago para aguentar o janismo do século XXI.