escrevinhador

por Rodrigo Vianna

Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
10 de março de 2011, 16h07

Paralamas do Sucesso (e do trabalho)

Que trabalho, que nada! No início de fevereiro, intimado por minha esposa e uma amiga, assisti a um show do Paralamas do Sucesso em Ribeirão Preto. À formação tradicional da banda (Herbert Viana, João Barone e Bi Ribeiro) juntaram-se três outros músicos (João Fera, Bidu Cordeiro e Monteiro Jr.) e com isso tivemos, além de baixo, guitarra e bateria, também saxofone, trombone e teclados e pandeiros, de vez em quando.

por Pedro Pomar

Que trabalho, que nada! No início de fevereiro, intimado por minha esposa e uma amiga, assisti a um show do Paralamas do Sucesso em Ribeirão Preto. À formação tradicional da banda (Herbert Viana, João Barone e Bi Ribeiro) juntaram-se três outros músicos (João Fera, Bidu Cordeiro e Monteiro Jr.) e com isso tivemos, além de baixo, guitarra e bateria, também saxofone, trombone e teclados e pandeiros, de vez em quando. Foram mais ou menos duas horas e meia de música, ótima e dançante. Que trabalho, que nada…

Enquanto curtíamos o som, mais impressionados ficávamos com a performance de Herbert. Resgatado das garras da morte, após o acidente aéreo sofrido em 2001, o músico, embora em cadeira de rodas, esbanjava energia e memória. Não notei nenhuma vacilação, nenhum lapso no desfilar de tantas letras novas e antigas. Pelo menos duas vezes, ainda deu-se ao luxo de provocar a platéia: “Vocês estão cansados?”

Nada de trabalho, será? Ora, é verdade que o músico se delicia com o seu trabalho, mas isso significa que tudo é pura moleza? Claro que não. Os músicos trabalham duramente antes e durante as suas apresentações. Existem, porém, diferenças em relação a outras modalidades de labor produtivo (como, por exemplo, as linhas de produção industrial). Os músicos, não raramente, são donos dos seus instrumentos e da aparelhagem de som, o que os torna próximos dos antigos artesãos. E ao contrário de uma mercadoria produzida em uma linha de montagem, idêntica a outras centenas de milhares, um show pode ser único e inesquecível, exatamente por envolver criatividade, emoção e artesanato.

Pensava nestas questões enquanto as músicas se sucediam. Quem salvou Herbert? O trabalho, ao mesmo tempo artesanal e altamente complexo, de uma equipe de cirurgiões e outros profissionais da medicina.

O próprio Herbert referiu-se duas vezes a “trabalho”. Primeiro, quando agradeceu à platéia por estar “em conexão com o nosso trabalho”. Segundo, quando pediu palmas para a equipe técnica responsável pela montagem do show no Brasil e no exterior. O diabo do trabalho, portanto, esteve presente o tempo todo, apesar das aparências em contrário.

Outro momento interessante foi quando Barone errou o início de uma música na bateria. Advertido por Bi, ele aproveitou para fazer uma breve interrupção e, com franqueza, pediu desculpas ao público pelo erro. Também desculpou-se, em nome da banda, pelo atraso no início do show. Na verdade, a casa anuncia um determinado horário, mas só chama a banda ao palco duas ou três horas depois. Tudo isso para vender bebidas por mais tempo (e a um preço salgado). Barone mandou o recado, em forma de protesto: “Um dia todos os shows vão começar no máximo às nove da noite”. Típica, e justa, reivindicação de trabalhador, operário ou não…

Nota do autor: atualizei este texto (inicialmente intitulado Trabalho improdutivo dançante) para corrigir um erro no original, apontado pelos leitores Felipe e Joel Bueno, aos quais agradeço. Na verdade, a expressão “trabalho improdutivo” foi indevidamente empregada por mim, no tocante ao trabalho dos músicos (e, provavelmente, da equipe médica citada). Trata-se de um trabalho produtivo, na medida em que gerou valor de uso, ou seja, uma utilidade para terceiros, adquirida mediante pagamento.

Pedro Pomar é jornalista, editor da Revista Adusp e doutor em ciências da comunicação.

Paralamas do Sucesso (e do trabalho)

Que trabalho, que nada! No início de fevereiro, intimado por minha esposa e uma amiga, assisti a um show do Paralamas do Sucesso em Ribeirão Preto. À formação tradicional da banda (Herbert Viana, João Barone e Bi Ribeiro) juntaram-se três outros músicos (João Fera, Bidu Cordeiro e Monteiro Jr.) e com isso tivemos, além de baixo, guitarra e bateria, também saxofone, trombone e teclados e pandeiros, de vez em quando. Foram mais ou menos duas horas e meia de música, ótima e dançante. Que trabalho, que nada…

Enquanto curtíamos o som, mais impressionados ficávamos com a performance de Herbert. Resgatado das garras da morte, após o acidente aéreo sofrido em 2001, o músico, embora em cadeira de rodas, esbanjava energia e memória. Não notei nenhuma vacilação, nenhum lapso no desfilar de tantas letras novas e antigas. Pelo menos duas vezes, ainda deu-se ao luxo de provocar a platéia: “Vocês estão cansados?”

Nada de trabalho, será? Ora, é verdade que o músico se delicia com o seu trabalho, mas isso significa que tudo é pura moleza? Claro que não. Os músicos trabalham duramente antes e durante as suas apresentações. Existem, porém, diferenças em relação a outras modalidades de labor produtivo (como, por exemplo, as linhas de produção industrial). Os músicos, não raramente, são donos dos seus instrumentos e da aparelhagem de som, o que os torna próximos dos antigos artesãos. E ao contrário de uma mercadoria produzida em uma linha de montagem, idêntica a outras centenas de milhares, um show pode ser único e inesquecível, exatamente por envolver criatividade, emoção e artesanato.

Pensava nestas questões enquanto as músicas se sucediam. Quem salvou Herbert? O trabalho, ao mesmo tempo artesanal e altamente complexo, de uma equipe de cirurgiões e outros profissionais da medicina.

O próprio Herbert referiu-se duas vezes a “trabalho”. Primeiro, quando agradeceu à platéia por estar “em conexão com o nosso trabalho”. Segundo, quando pediu palmas para a equipe técnica responsável pela montagem do show no Brasil e no exterior. O diabo do trabalho, portanto, esteve presente o tempo todo, apesar das aparências em contrário.

Outro momento interessante foi quando Barone errou o início de uma música na bateria. Advertido por Bi, ele aproveitou para fazer uma breve interrupção e, com franqueza, pediu desculpas ao público pelo erro. Também desculpou-se, em nome da banda, pelo atraso no início do show. Na verdade, a casa anuncia um determinado horário, mas só chama a banda ao palco duas ou três horas depois. Tudo isso para vender bebidas por mais tempo (e a um preço salgado). Barone mandou o recado, em forma de protesto: “Um dia todos os shows vão começar no máximo às nove da noite”. Típica, e justa, reivindicação de trabalhador, operário ou não…

Nota do autor: atualizei este texto (inicialmente intitulado Trabalho improdutivo dançante) para corrigir um erro no original, apontado pelos leitores Felipe e Joel Bueno, aos quais agradeço. Na verdade, a expressão “trabalho improdutivo” foi indevidamente empregada por mim, no tocante ao trabalho dos músicos (e, provavelmente, da equipe médica citada). Trata-se de um trabalho produtivo, na medida em que gerou valor de uso, ou seja, uma utilidade para terceiros, adquirida mediante pagamento.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum