Apoiadores do golpe tomam rede social com mensagens de ódio e contra os pobres

A hashtag #SomosTodosGolpistas chegou ao 1º lugar dos Trending Topics do Twitter com posts machistas, racistas, xenófobos e permeados de ódio contra as políticas sociais dos governos petistas que permitiram, por exemplo, que negros cursassem a universidade Por Redação A aversão que parte das elites brasileiras carrega contra pobres e contra as políticas sociais dos […]

A hashtag #SomosTodosGolpistas chegou ao 1º lugar dos Trending Topics do Twitter com posts machistas, racistas, xenófobos e permeados de ódio contra as políticas sociais dos governos petistas que permitiram, por exemplo, que negros cursassem a universidade

Por Redação

A aversão que parte das elites brasileiras carrega contra pobres e contra as políticas sociais dos governos petistas que beneficiaram os menos favorecidos está sendo exposta de forma maciça no Twitter desde a manhã desta quinta-feira (1), um dia após a concretização do golpe parlamentar que destituiu a presidenta eleita Dilma Rousseff.

A hashtag #SomosTodosGolpistas, que surgiu como uma ironia, chegou ao 1º lugar dos Trending Topics da rede social com uma enxurrada de mensagens de ódio contra pobres e de cunho racista, machista, xenófobo e homofóbico.

“Quero ir num aeroporto brasileiro só pra ver pobre sendo barrado na entrada, pois com Temer pobre não anda de avião”, diz um Tweets entre outras centenas de outros que vão desde xingamentos a Dilma ou crítica a presença de negros nas universidades. A maior parte dos perfis que estão usando a tag são fake, assim como inúmeros perfis da direita que propagam esse mesmo tipo de discurso em outras redes sociais.

 

Avatar de Segunda Tela

Segunda Tela

Espaço para discutir a cultura em tempos de multiconexão. Cinema, música, teatro, TV, internet e mais.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR