O presidente, os 400 mil “CPFs cancelados” e o olhar da morte

O governo Bolsonaro lembra o Dr. Jairinho, que fez o que fez e caminha como se não tivesse feito nada

WILLIAN NOVAES

Quando o olhar denuncia o vilão, a pessoa ruim, o sanguinário?

O poeta disse que o olhar é a janela da alma, mas quando essa alma é pesada, assassina e cruel, esse simples gesto de observar entrega o algoz.

No olhar do tal Dr. Jairinho você já conseguiu enxergar alguma dor? Algo de bom? Alguma verdade? Difícil, o jovem político carrega o peso dos seus feitos, sua crueldade e o total desprezo pela vida dos demais.

O cara com histórico de torturar crianças não olha ninguém nos olhos. Simplesmente ignora tudo o que acontece ao seu redor, parece que está indo para mais um dia trivial, monótono, fugaz, enquanto é carregado para a prisão

O cara que não emite opiniões e tem histórico de torturar crianças não olha ninguém nos olhos. Simplesmente ignora tudo o que acontece ao seu redor, parece que está indo para mais um dia trivial, monótono, fugaz, enquanto é carregado para a prisão.

Sem reações, ele parece que caminha para o nada. Ele não muda a expressão, não sente pela morte do enteado, fala para o pai da criança tocar a vida para a frente e fazer um outro filho no dia do óbito do pequeno Henry, de 4 aninhos.

Bolsonaro e os “CPFs cancelados”. Foto: Alan Santos/PR

Jairinho parece o governo brasileiro. Quase 400 mil brasileiros que eram amados por outras pessoas se foram, morreram e quem governa o país parece que não sente essas vidas perdidas. Quase 400 mil brasileiros mortos e o presidente do país posa com a placa “CPF cancelado” sem se importar a mínima com as vidas perdidas e a dor dos familiares.

O Brasil anda mais cínico, mais sem graça e o governo Bolsonaro lembra o Dr. Jairinho, que fez o que fez e caminha como se não tivesse feito nada.

Avatar de Socialista Morena

Socialista Morena

Uma nova forma de fazer jornalismo. Cultura, política, feminismo, direitos humanos, mídia e trabalho. Editora: Cynara Menezes