Allan dos Santos tem vínculo com invasor do Capitólio (EUA), diz Moraes em ordem de prisão

Relatório da PF usado na decisão de ministro do STF aponta que blogueiro bolsonarista é próximo de norte-americano que participou de tentativa de golpe pró-Trump e utiliza até o canal do extremista no YouTube

A ordem de prisão expedida nesta quinta-feira (21) pelo ministro Alexandre de Moares, do Supremo Tribunal Federal (STF), contra o blogueiro bolsonarista Allan dos Santos cita o vínculo do brasileiro com um extremista norte-americano que invadiu o Capitólio dos EUA em janeiro deste ano, numa tentativa de impedir a ratificação da vitória do democrata Joe Biden. A ação dos radicais de direita resultou em cinco mortes.

Segundo um relatório da Polícia Federal que investigou Allan dos Santos, atualmente vivendo nos EUA para fugir do cerco imposto pela Justiça brasileira por suas atividades alegadamente criminosas que dão sustentação à base extremista de Bolsonaro nas redes, o blogueiro mantém proximidade com Jonathon Owen Shroyer, um cidadão estadunidense que está sendo processado no Judiciário de seu país por ter participado da invasão ao Capitólio. Allan teria usado até o canal no YouTube do extremista estrangeiro para fazer suas transmissões voltadas ao público ultrarreacionário do presidente brasileiro.

Junto com a ordem de prisão e o pedido de extradição de Allan, o ministro Alexandre de Moraes também determinou ao Banco Central o bloqueio de todas contas do bolsonarista e determinou à Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom) e à Casa Civil que suspendam todo e qualquer pagamento referente a publicidade ao canal e ao site do extremista.

Notícias relacionadas

Avatar de Henrique Rodrigues

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR