Fórum Educação
10 de setembro de 2019, 14h33

Cervejaria católica se alinha a Bolsonaro, divulga post homofóbico e defende “reinado social e político do Cristo”

Alinhada com a pauta conservadora de costumes de Jair Bolsonaro, que embriagou parte do eleitorado brasileiro em 2018, a Cervejaria Católica Saint Arnulf, causou polêmica nas redes sociais ao divulgar uma mensagem em que diz que é "contra a militância LGBT e não teme perder clientes por isso"

Imagem polêmica divulgada pela cervejaria católica (Reprodução)

Por Lucas Vasques e Plínio Teodoro

Alinhada com a pauta conservadora de costumes de Jair Bolsonaro, que embriagou parte do eleitorado brasileiro em 2018, a Cervejaria Católica Saint Arnulf, causou polêmica nas redes sociais ao divulgar uma mensagem em que diz que é “contra a militância LGBT e não teme perder clientes por isso”.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

“Não temos medo de gritar bem alto o ensino tradicional da única Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo, ainda que isso nos deixe com apenas um punhado de clientes. Pelo contrário, ficaremos extremamente felizes por isso! Amamos o que ama a Igreja e combatemos tudo o que se opõe ao reinado social e político do Cristo, Nosso Senhor”, diz a publicação feita nesta segunda-feira (9), em meio à polêmica da tentativa de censura homofóbica de livros na Bienal do Rio.

Em menos de 24 horas, a publicação já tem mais de 11 mil comentários e 2,4 mil compartilhamentos. A maioria deles contra o posicionamento da cervejaria ou contestando o viés católico da empresa. “Mas gente! Jesus pregava o amor ao próximo sem distinção! Tão interpretando errado seus ensinamentos hein!”, comentou Camila de Souza.

A cervejaria, localizada no interior de Minas Gerais, é de propriedade do Mestre Cervejeiro Pabhlo Allan, que se diz membro da Sociedade da Santíssima Virgem Maria (SSVM), um movimento de extrema-direita do catolicismo, que, em seu site, diz estar localizado na cidade de Montes Claros, no norte mineiro.

Diante da repercussão, a cervejaria soltou nota nesta terça-feira (10) também pelo Facebook dizendo que não recuará “diante das manifestações de ódio e incompreensão que alguns poucos aqui demonstraram”.

“Com efeito, desde seus primórdios a cervejaria Saint Arnulf foi um ambiente familiar de respeito e fraternidade cristã, e não aceitaremos que palavrões e xingamentos maculem o ambiente católico que propomos aqui. Saiam os que não concordam com as diretivas desse espaço”, diz a nota, que cita ainda aquele que seria o diretor presidente da SSVM.

“A Sociedade da Santíssima Virgem Maria – SSVM, na pessoa de seu diretor presidente João Soares de Oliveira Júnior, sempre afirmou abertamente a postura católica e tradicional de todos os apostolados ligados a nossa Pia Sociedade. Somos assim! Essa é nossa identidade Católica! Seguiremos assim, e nos aperfeiçoando cada vez mais, até nosso último suspiro sob o manto de Nossa Senhora”, diz o texto.

Bolsonarismo
O Instituto de Caridade e Educação Cristã Sociedade da Santíssima Virgem Maria se declara pelo site como “uma associação civil, sem fins lucrativos, de orientação católica e em consolidada atuação na cidade de Montes Claros (MG)”.

Em publicação na página da SSVM no Facebook, a entidade reafirma sua postura homofóbica com a seguinte mensagem: “Chega! É hora de reagir! Manifesto! A Sociedade da Santíssima Virgem Maria – SSVM faz eco ao manifesto contra a INÍQUA LEI de criminalização da homofobia que tem por finalidade reprimir a moral cristã e fortalecer os ideais revolucionários”.

Em outra publicação, de 22 de maio, a SSVM faz referência ao ato de Consagração do Brasil ao Imaculado Coração de Maria, realizado no dia anterior no Palácio do Planalto por Jair Bolsonaro e o bispo dom Fernando Arêas Rifan, atual ordinário da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney.

Na publicação, a SSVM cria polêmica entre seus seguidores ao negar que tenha havido ato oficial de consagração, havendo um ” mero ato de piedade e uma consagração privada conduzida por um bispo presente, gesto simples e pouco condizente com a solenidade, a sacralidade e a dimensão exigida pela seriedade da proposta”.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum