Curitiba, “terra” de Moro, tem buzinaços e atos de comemoração pela suspeição do ex-juiz e elegibilidade de Lula; assista

Manifestantes comemoraram a decisão do STF contra o ex-magistrado em frente à sede da Polícia Federal na cidade, onde Lula ficou preso por mais de 500 dias, e nos entornos do prédio do MPF

A “República de Curitiba” desmoronou. Na noite desta terça-feira (23), após a decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) que declarou Sérgio Moro suspeito e confirmou a parcialidade do ex-juiz no processo do “triplex do Guarujá” que levou Lula à prisão, moradores da capital paranaense saíram às ruas para comemorar a derrota judicial do ex-magistrado e a vitória de Lula.

O placar do julgamento no STF, que acatou um habeas corpus da defesa de Lula apontando a suspeição de Moro, ficou em 3×2 pelo reconhecimento da parcialidade do ex-juiz, o que leva à anulação de todo o processo, desde a fase de coleta de provas e depoimentos. Com isso, a elegibilidade de Lula, que já havia sido retomada com a anulação do processo por incompetência de vara determinada pelo ministro Edson Fachin, foi confirmada. Votaram contra o HC os ministro Edson Fachin e Nunes Marques e, a favor, além de Cármen Lúcia, os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski.

Em Curitiba, manifestantes fizeram carreatas e buzinaços com faixas e gritos de “Lula livre” e contra Moro. Os protestos foram registrados na frente do prédio do Ministério Público Federal (MPF) e em frente à sede da Polícia Federal, onde Lula ficou preso por mais de 500 dias após a condenação, agora anulada, do ex-juiz que atuava na vara federal da cidade.

No ato em frente à PF, uma das coordenadores da Vigília Lula Livre, Regina Cruz, gravou depoimento para o fotojornalista Eduardo Matysiak.

Confira abaixo.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR