Eduardo Costa, bolsonarista arrependido, é denunciado por estelionato

A promotoria ainda pede que o sertanejo repare os danos causados por causa da infração penal; entenda tudo aqui

O cantor sertanejo Eduardo Costa, bolsonarista arrependido, foi indiciado pelo Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MP-MG) pelo crime de estelionato. A promotoria ainda pede a reparação dos danos causados por causa da infração penal.

De acordo com a denúncia da 12ª Promotoria de Belo Horizonte, Costa realizou um contrato de compromisso de compra e venda, no dia 16 de julho de 2015, de um imóvel no bairro Bandeirantes, na cidade Belo Horizonte, por R$ 9 milhões.

O cantor deu como parte do pagamento um imóvel localizado em Piumhi, em Minas Gerais, no valor de cerca de R$ 5.6 milhões. Segundo a promotoria, ele omitiu de forma dolosa o fato de se tratar de bem “litigioso”, obtendo “vantagem ilícita”, em prejuízo das “vítimas”.

O imóvel que Costa entregou era objeto de uma ação de reintegração de posse cumulado com demolição de construção, desde dezembro de 2012, e de uma ação civil pública, desde fevereiro de 2013, proposta pelo Ministério Público Federal, em face da EC13 Produções Ltda, da qual o cantor é o sócio.

O MP afirma que ele não falou da existência das ações que existiam em andamento, nem às vítimas, e nem aos profissionais que participaram das negociações.

Sócio denunciado

O sócio do cantor na empresa EC13, Gustavo Caetano da Silva, também foi denunciado, pois teria assinado o documento como testemunha. Para o MP, o homem participou ativamente das negociações para o fechamento do contrato.

A promotoria diz ainda que ele tinha todo o conhecimento das ações judiciais envolvendo o imóvel situado em Capitólio, e omitiu, silenciou de forma dolosa, em relação a situação da propriedade, para poder viabilizar a realização do negócio, obtendo vantagem ilícita em prejuízo das vítimas.

“As vítimas e os profissionais que auxiliaram diretamente nas negociações foram mantidas em erro, mediante artifício e ardil, pelos denunciados, que omitiram tais informações, tanto que não há qualquer menção de tais ações no contrato celebrado, constando, ao contrário, que os bens ofertados estariam livres e desimpedidos de quaisquer ônus”, diz um trecho do documento.

Publicidade

À Justiça, a promotora afirma que, Gustavo é cunhado e sócio do cantor, e foi a pessoa que fez os primeiros contatos com as vítimas. Eduardo Costa teria surgido em seguida quando as partes já demonstravam interesse no fechamento do negócio.

Com informações do Em Off

Publicidade
Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.