Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
25 de março de 2020, 16h38

Funcionário terceirizado da Enel é demitido após se recusar a fazer corte de energia em meio à quarentena

Trabalhador alega que não acha justo cortar energia das pessoas por inadimplência em meio à quarentena imposta pelo novo coronavírus; empresa alega que demissão foi por outro motivo, mas não explicitou qual

Reprodução

Um funcionário terceirizado da Enel no Ceará alega ter sido demitido após se recusar a realizar um corte de energia na última semana. Ele alega que considerou o corte injusto neste momento que muitas pessoas estão sem trabalhar, em quarentena, por conta da pandemia do coronavírus.

“Tenho convicção do que falei, não corto e não irei cortar e não me arrependo. Eu escolhi essa profissão e tô há quase seis anos cumprindo ela porque tenho responsabilidade. Mas nesse momento que nós estamos vivendo não tô de acordo em fazer corte”, afirmou Ramiro Roseno Sombra após receber o aviso da empresa terceirizada de que estava demitido.

Segundo o eletricista, ele havia sido demandado para fazer um corte de energia devido à inadimplência e, além dele, outros funcionários foram suspensos ou demitidos por também terem se recusado a fazer outros cortes.

Em nota, a Enel confirmou a demissão, mas informou que os contratos são de responsabilidade da empresa terceirizada, a Sirtec, e disse ainda que o corte a que o funcionário se recusou a fazer era, na verdade, a pedido do próprio cliente, e não por inadimplência.

Já a Sirtec disse que a demissão do eletricista não tem relação com a atitude de não fazer o corte solicitado, mas sim com “infração cometida pelo mesmo na semana anterior”, sem informar, contudo, o verdadeiro motivo da demissão.

Confira, abaixo, o vídeo gravado pelo ex-funcionário ao Jornal Caucaia narrando a situação.

*Com informações do G1


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum