Fórumcast #20
18 de março de 2019, 16h06

Indícios apontam que policial acusado de matar Marielle negociava armas com empresas estrangeiras

Na semana passada, um arsenal de 117 fuzis foi encontrado na casa de um amigo do sargento reformado Ronnie Lessa, apontado como o autor dos disparos que mataram a vereadora Marielle Franco

Ronnie Lessa (D) e a ação da PM no condomínio Vivendas da Barra para prendê-lo (Reprodução/TV Globo)

Em entrevista ao programa ‘Painel’, da GloboNews, na noite deste domingo (17), a promotora Simone Sibilio, do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), informou que foram encontrados indícios de que o sargento reformado Ronnie Lessa, apontado como o autor dos disparos que mataram Marielle Franco, negociava compra de armas com empresas estrangeiras “americanas, alemãs, chinesas e inglesas”.

O Grupos de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), coordenado por Simone, encontrou os indícios em e-mails do policial em uma operação para rastrear a origem do arsenal de 117 fuzis encontrados na semana passada na casa de um amigo de Lessa, Alexandre Mota de Souza.

“Investigação nos levou ao maior contrabandista de armamento. Essa investigação nos levou a Operação Intocáveis. Como essa pessoa entra com esse armamento? De quem ele compra? Pra quem ele vende? Quem mais está envolvido? Como ele se mantém? Quem vai suceder Ronnie Lessa?”, questionou a promotora.

Agora, a investigação sobre a origem dos fuzis e as supostas negociações de Lessa, que morava no mesmo condomínio que o presidente Jair Bolsonaro, no Rio de Janeiro, estão sob a responsabilidade da Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (DESARME). Se for concluído que as negociações de Lessa configuram tráfico internacional, a Polícia Federal deverá assumir o caso.

Veja também:  Cartunista Art Spiegelman é censurado pela Marvel após críticas a Trump

Arma alemã

O grupo Acionistas Críticos, composto por ativistas que compram ações de corporações transnacionais para ter acesso às assembleias de acionistas e denunciar os crimes sociais, ambientais, econômicos e políticos destas empresas, tem denunciado, nas últimas semanas, a colaboração de empresas alemãs com o governo brasileiro.

O sociólogo e ativista alemão Christian Russau, que compõe o grupo, revelou à Fórum que a arma utilizada no assassinato de Marielle é da marca Heckler & Koch, uma empresa alemã. “Nós, ativistas de Direitos Humanos, exigimos a proibição de armas como a da Heckler & Koch para a Polícia Militar brasileira, como é proibida a exportação dessas armas para alguns estados do México”, afirmou.

Na semana passada, durante um protesto em homenagem a Mairelle em Berlim, a deputada alemã do partido Die Link, Heike Hänsel, pediu que o governo da Alemanha que o governo de seu país para de exportar armas para o Brasil. Saiba mais aqui.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum