Juízes acusados de vender sentenças são presos no ES

Magistrados estão recolhidos em Batalhão da PM por determinação de desembargadores do TJES. Ação penal é decorrente de crime praticado na Vara da Fazenda Pública de Vila Velha

O Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) decretou a prisão de dois juízes acusados de atuarem num caso de venda de sentenças no Estado. Alexandre Farina e Carlos Alexandre Gutmann se apresentaram às autoridades e foram encaminhados para um quartel da Polícia Militar, na capital Vitória.

As prisões foram decretadas na esteira das investigações iniciadas na Operação Viva Alma, que apurou denúncias de um esquema de venda de sentenças na Vara da Fazenda Pública de Vila Velha, encabeçada pelo magistrado Alexandre Gutmann. Ambos os juízes já tinham sido afastados preventivamente de suas funções no Judiciário pelo TJES.

A descoberta

Após a apreensão do celular de um policial civil acusado de manda matar a ex-mulher, em 2017, os promotores descobriram mensagens entre ele e o juiz Alexandre Farina que indicavam a existência de uma possibilidade de acordo entre o réu e o magistrado Gutmann, que julgaria seu caso. Farina fazia um papel, segundo o MP, de intermediador do esquema.

Dos 20 desembargadores do Tribunal de Justiça capixaba, 19 votaram pela prisão dos juízes. Um dos que decidiram acatar o pedido para prendê-los, Pedro Valls Feu Rosa, chegou a dizer que se o TJES não o fizesse, seria apontado pela sociedade como corporativista e que estaria oficialmente instaurada a desordem pública no Estado.

“Que se soltem então os demais presos, já que os juízes estão em suas casas recebendo seus salários, enquanto outros estão presos por crimes muito menos graves”, disse Feu Rosa.

Avatar de Henrique Rodrigues

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR