Loja é notificada por vender tacos de beisebol com arame farpado e inscrição “direitos humanos”

Em nota, shopping em Bauru, no interior de São Paulo, disse que repudia "qualquer ato que incite violência"; objetos custam em média R$ 200

Uma loja no Boulevard Shopping Bauru, interior de São Paulo, foi notificada a retirar de sua vitrine tacos de beisebol à venda com palavras como “direitos humanos”, “diálogo”, “freio de mano” e “punisher” [“justiceiro”, em inglês]. Alguns dos objetos tinham, inclusive, arames farpados enrolados na ponta e custavam de R$ 200 a R$ 210.

Em nota ao G1, a assessoria de imprensa do shopping disse que a loja retirou a exposição dos tacos na vitrine nesta quarta-feira (13), assim que foi notificada: “O Boulevard Shopping Bauru repudia todo e qualquer ato que incite a violência. O lojista em questão foi notificado e já retirou os objetos da vitrine”.

Essa não é a primeira vez que um estabelecimento vende objetos deste tipo. Há cerca de um mês, uma barbearia que tem unidades em Cuiabá e Várzea Grande fez um “sorteio” entre os clientes onde os prêmios eram tacos de beisebol com os dizeres “diálogo”, “respeito”, “direitos humanos” e outro envolto em arame farpado.

Em 2019, um anúncio também foi retirado do Mercado Livre por vender este tipo de produto. Entretanto, há vários parecidos na internet. Segundo o G1, a loja no Shopping Boulevard também comercializa artigos esportivos e equipamentos táticos, armas de pressão para atividades de tiro, cutelaria (canivetes faca e facões) e ainda abriga um estande de tiro de airsoft.

Notícias relacionadas

Avatar de Carolina Fortes

Carolina Fortes

Repórter colaborativa no site Emerge Mag e antiga editora-assistente no site da Jovem Pan. Ex-repórter no site Elástica. Formada em jornalismo e faz a segunda graduação em Letras na Universidade de São Paulo (USP). Acredita no jornalismo como forma de impacto social e defende maior inclusão e representatividade.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR